Nova pista leva à alteração da área de busca dos destroços de avião

Busca se deslocou 1.100 km a nordeste, após surgimento de uma nova pista que indica que o avião voava mais rápido que o estimado anteriormente

Por O Dia

PERTH - A busca dos destroços do Boeing 777-200 da Malaysia Airlines desaparecido desde o início de março se deslocou nesta sexta-feira para uma zona, 1.100 km a nordeste do local até então explorado, após o surgimento de uma "nova pista crível", informaram as autoridades australianas.

"A nova informação é baseada em uma análise contínua de dados de radares situados entre o Mar da China Meridional e o Estreito de Malaca, após a perda de contato" com o voo MH370, revelou a Autoridade Australiana de Segurança Marítima (AMSA).

Os dados "indicam que o avião voava mais rápido que o estimado previamente, o que provocou um aumento do consumo de combustível e, portanto, a redução da distância percorrida pela aeronave, que se dirigiu para o sul do Oceano Índico".

Esta avaliação foi elaborada pela equipe de investigação internacional na Malásia, com a colaboração da Australian Transport Safety Bureau (ATSB), e conclui "que é a pista mais crível sobre onde localizar os destroços do avião".

A nova zona de busca é de aproximadamente 319.000 km² e está a 1.850 km a oeste de Perth, no oeste da Austrália.

"A ATSB destaca que a definição da potencial trajetória do voo pode ser objeto de um maior precisão com o avanço das análises da equipe internacional de investigação", acrescentando que a Austrália reposicionou seus satélites para a nova área de busca.

O sul do Oceano Índico é considerado uma área isolada, onde o tráfego marítimo é pouco denso e não é fácil encontrar objetos flutuando como em outros mares.

A missão é um verdadeiro desafio no meio do 'deserto marinho', temido pelos navegantes mais experientes, no meio do caminho entre o extremo sudoeste australiano e a Antártica.

O Boeing 777 saiu da rota prevista uma hora depois de decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim e prosseguiu com o voo por milhares de quilômetros em direção ao sul, antes de cair no mar, provavelmente por falta de combustível.

A investigação sobre o desaparecimento do MH370 pode levar anos e analistas não apostam em uma teoria definitiva, mas advogados americanos acreditam que um princípio de incêndio ou uma inesperada despressurização da cabine deixou os pilotos inconscientes e o Boeing virou um "avião fantasma".

Últimas de _legado_Notícia