Por marta.valim
Exportações chinesas recuaram 6,6% em março na comparação com o mesmo mês de 2013, para 170,1 bilhões de dólaresLaurent Fievet/ AFP

PEQUIM - As exportações e importações da China caíram de modo expressivo em março, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira, que se somam a outros dados econômicos preocupantes para a segunda economia do planeta.

O governo citou a crescente concorrência internacional e atritos com os sócios comerciais, como possíveis explicações.

As exportações chinesas recuaram 6,6% em março na comparação com o mesmo mês em 2013, para 170,1 bilhões de dólares. As importações registraram queda de 11,3% em ritmo anual,a US$ 162,4 bilhões.

Os números surpreenderam os analistas, já que 16 economistas consultados pela agência Dow Jones Newswires apostavam em uma alta de 4,2% das exportações e de 2,8% das importações.

Os dados de março representam, no entanto, um retorno ao superávit comercial (US$ 7,7 bilhões), após o inesperado déficit de 22,98 bilhões de dólares registrado em fevereiro.

Os números decepcionantes de março representam um novo sinal de alerta para a China, onde a atividade industrial se contrai há vários meses e o consumo interno não decola.

O governo reconheceu as adversidades que o comércio exterior enfrenta, mas pediu que as dificuldades "não sejam exageradas".

"Neste momento, as vantagens competitivas da China nas trocas comerciais tradicionais estão sendo ofuscadas por fatores negativos, como a concorrência crescente de países vizinhos e as divergências comerciais com os principais sócios", disse um porta-voz da Alfândega, em uma referência às disputas de Pequim com União Europeia e Estados Unidos.

À margem de outras considerações, os analistas do banco ANZ destacam o caráter "pouco estimulante" da demanda chinesa de matérias-primas, apesar do aumento de 14,6% em ritmo anual das importações de minério de ferro.

Segundo uma opinião generalizada, a queda nas importações chinesas é sintoma de uma demanda interna sem intensidade, um assunto que preocupa as autoridades.

"As importações permanecerão relativamente contidas (nos próximos meses), já que o freio dos investimentos provavelmente afetará as importações de matérias-primas e de bens de equipamento", disse Julian Evans-Pritchard, analista do Capital Economics.

O pequeno pacote de estímulo adotado na semana passada por Pequim - isenções fiscais e programas de reforma urbana - foram bem recebidos pelos mercados. Mas o primeiro-ministro Li Keqiang alertou que as pessoas não devem esperar novas medidas de apoio à economia a curto prazo.

"Não vamos recorrer a medidas de estímulo a curto prazo, pois damos importância às ações profundas de médio e longo prazo", disse no Fórum Asiático de Boao (sul da China).

O país registrou em 2013 um crescimento econômico de 7,7%, o menor em 14 anos, e há alguns meses passa por uma desaceleração da produção industrial.

Pequim deseja, desde o ano passado, alterar o modelo econômico do país para o consumo interno, ao invés de prosseguir com os investimentos em infraestruturas e em um setor industrial que sofre de capacidade excessiva, mas com a manutenção do crescimento.

Você pode gostar