Por marta.valim

ATENAS - A Grécia, que retornou nesta quinta-feira ao mercado da dívida de longo prazo pela primeira vez desde 2010, conseguiu captar três bilhões de euros em uma emissão de títulos com taxa de juros de 4,75%, anunciou o ministério das Finanças.

"A demanda foi muito forte", destaca um comunicado do ministério, segundo o qual a participação de investidores de fora da Grécia "deve ter ficado próxima de 90%".

Mais cedo, o vice-primeiro-ministro do país anunciou que a emissão de títulos a cinco anos havia sido um sucesso ao superar em pelo menos oito vezes a oferta.

"A resposta dos mercados foi estimulante, os mercados escolheram a Grécia", disse Evangelos Venizelos, que também ocupa o cargo de ministro das Relações Exteriores.

A última operação grega com títulos a cinco anos havia acontecido em fevereiro de 2010, com uma taxa de juros de 6,1%. Desde então, o país emitia apenas bônus a curto prazo.

Poucas horas antes da emissão, um carro-bomba explodiu diante da sede do Banco da Grécia, no centro de Atenas, sem provocar vítimas.

A Grécia foi a primeira vítima da crise da dívida na zona do euro, no fim de 2009. Sem conseguir obter financiamento com credores privados, teve que recorrer a resgates internacionais da União Europeia (UE), do Banco Central Europeu (BCE) e do FMI, que chegaram a 240 bilhões de euros. Isso permitiu evitar a falência do país, o que teria ameaçado a própria existência do euro.

Você pode gostar