Por marta.valim

Moscou  - O presidente russo, Vladimir Putin, chamou nesta segunda-feira de "infundadas" as acusações de ingerência de Moscou no leste da Ucrânia, em uma conversa por telefone com seu homólogo americano Barack Obama, anunciou o Kremlin.

"Em resposta às preocupações manifestadas pelo presidente americano a respeito de uma suposta ingerência russa no sudeste da Ucrânia, o presidente russo observou que essas especulações são baseadas em informações infundadas", indicou o Kremlin em um comunicado.

"Vladimir Putin pediu que Barack Obama faça todo o possível para não permitir o uso da força e um banho de sangue", indicou o Kremlin. Ele também fez um novo apelo para que negocições reúnam "todas as principais forças políticas e as regiões" com o objetivo de estabelecer uma estrutura federal para a Ucrânia.

De acordo com o Kremlin, os dois chefes de Estado concordaram sobre a necessidade de "manter os esforços" em busca de uma solução diplomática antes das negociações que devem reunir Rússia, Estados Unidos, União Europeia e Ucrânia, na quinta-feira em Genebra.

Ataques visivelmente coordenados ocorreram durante o fim de semana contra prédios públicos do leste da Ucrânia, onde grande parte da população é de língua russa, principalmente nas imediações de Donetsk. Homens fardados com armas automáticas, visivelmente treinados, foram vistos na região. As recentes ações lembram a ocorrida na Crimeia antes de sua anexação à Rússia, em março, e as potências ocidentais afirmaram que se trata de uma operação dirigida por Moscou.

As autoridades pró-ocidentais de Kiev anunciaram o lançamento de uma "operação anti-terrorista" no leste, mas nenhuma intervenção das Forças Armadas ucranianas foi constatada.

Você pode gostar