Por marta.valim

Sebastopol - O presidente russo, Vladimir Putin, despertou a ira do governo de Kiev ao visitar a Crimeia nesta sexta-feira, em uma nova demonstração de força, enquanto a Ucrânia sofre com a violência, com mais de 20 mortos em confrontos em Mariupol (sudeste).

Sessenta insurgentes armados com armas automáticas atacaram a sede da polícia local, informou o ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, em sua página no Facebook. Segundo ele,  os confrontos terminaram com 20 mortos entre os separatistas e um policial.

Um jornalista da AFP no local relatou ter visto o prédio da polícia seriamente destruído e parcialmente em chamas.

Ao mesmo tempo, Putin participou em Sebastopol, base histórica da frota russa do Mar Negro, das celebrações da vitória contra os nazistas, em 1945, celebrada em 9 de maio na ex-URSS.

O governo ucraniano denunciou uma "flagrante violação da soberania da Ucrânia", o que prova que "a Rússia não quer buscar uma solução diplomática".

Os Estados Unidos, na linha de frente contra a Rússia nesta crise, também denunciaram uma visita que só servirá para "exacerbar as tensões".

"Nós não aceitamos a anexação ilegal da Crimeia pela Rússia", ressaltou Laura Lucas Magnuson, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, gabinete de política externa do presidente Barack Obama.

O presidente russo, chegou nesta sexta-feira à tarde na Crimeia após o tradicional desfile militar na Praça Vermelha em Moscou, para sua primeira visita à península do sul da Ucrânia, anexada em março à Rússia depois da chegada ao poder de pró-ocidentais em Kiev.

"O ano de 2014 vai entrar para a história como aquele que tem visto as pessoas que vivem aqui decidir firmemente que ser com a Rússia, o que confirma a sua fidelidade à verdade histórica", disse Putin durante as celebrações 1.945 vitória sobre os nazistas.

Revista da frota militar

Antes de discursar à multidão, Putin passou em revista a uma dezena de navios militares russos no porto de Sebastopol e felicitou, com um megafone, as tripulações, que responderam com gritos, segundo imagens da televisão russa.

Em seguida, um desfile aéreo mobilizou dezenas de aeronaves, incluindo bombardeiros supersônicos Tupolev TU-22 e caças Sukhoi Su-27 e MiG-24 que sobrevoaram a cidade.

A chanceler alemã, Angela Merkel, lamentou esta semana o anúncio do desfile na Crimeia, enquanto que as regiões do leste e sul da Ucrânia, onde Kiev e o Ocidente acusam Moscou de incitar o separatismo, afundam na violência.

Nesta sexta-feira, Putin elogiou a "força do patriotismo" russo durante o desfile militar de 11.000 homens e dezenas de tanques, lança-mísseis, helicópteros e bombardeiros em Moscou comemorando a vitória sobre a Alemanha nazista em 1945.

"A vontade de ferro do povo soviético, a sua coragem e firmeza salvaram a Europa da escravidão", declarou.

A anexação em março da Crimeia à Rússia foi e estopim para a pior crise entre russos e ocidentais desde o fim da Guerra Fria.

Na Ucrânia, as comemorações foram mais discretas. Em Kiev, uma breve cerimônia foi realizada em um parque da cidade na presença do primeiro-ministro Arseniy Yatseniuk.

"Há 69 anos combatemos com a Rússia contra o fascismo e nós vencemos. Hoje, a Rússia lançou uma guerra contra a Ucrânia", declarou Yatseniuk, chamando Moscou a "parar de apoiar terroristas que matam civis na Ucrânia".

Putin adotou na quarta-feira um tom mais conciliador do que o habitual. Ele propôs um cenário de "diálogo", pedindo para Kiek para a operação militar em curso no leste, em troca do adiamento de um "referendo" sobre a independência no leste da Ucrânia, previsto para domingo, mas os separatistas decidiram na quinta-feira manter esta consulta.

Kiev não voltará atrás

Por sua vez, o governo ucraniano reiterou na quinta-feira não ter a intenção de renunciar à restauração da ordem no leste. Em 2 de maio, as novas autoridades lançaram uma operação militar que já resultou em dezenas de mortes.

Em Slaviansk, reduto rebelde pró-russo, tiros e explosões foram ouvidos durante a noite. Três blindados, um deles com a bandeira russa, desfilaram nesta manhã no centro da cidade, cuja praça principal estava lotada de pessoas.

Os separatistas desejam confiar a direção da insurreição a um homem chamado Igor Strelkov, que segundo os serviços de segurança ucranianos é um coronel do serviço de espionagem russo.

Strelkov lidera atualmente a milícia em Slaviansk e foi "proposto como comandante de todas as forças de 'autodefesa' de Donbas", importante região mineradora, anunciou o governador auto-proclamado de Donetsk, Pavlo Gubarev.

Strelkov, de 43 anos, nega ser um coronel russo, mas os ucranianos culpam ele pelo sequestro dos observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), libertados em 3 de maio.

De acordo com autoridades ucranianas, este homem se chama Igor Guirkin e vivia em Moscou, até deixar sua cidade em fevereiro para cruzar a fronteira.

A tensão continua forte na Ucrânia com a aproximação da eleição presidencial antecipada de 25 de maio, que deverá permitir a eleição de um sucessor de Viktor Yanukovych.

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, é esperado segunda-feira em Kiev para expressar o apoio da União Europeia à Ucrânia antes da eleição.

Também há questões econômicas em jogo. A Rússia anunciou na quinta-feira que passará a fornecer gás para a Ucrânia apenas mediante pagamento prévio, devido a uma dívida de US$ 3,5 bilhões.

Esta medida poderia ameaçar o fornecimento de gás para a Europa, que importa um quarto de seu gás da Rússia, quase a metade através da Ucrânia.

Você pode gostar