Por marta.valim

A queda do desemprego foi confirmada em abril na zona do euro, com um índice de 11,7%, contra 11,8% em março, segundo a agência europeia de estatísticas Eurostat.

A zona do euro tinha 18,751 milhões de desempregados em abril, 76.000 a menos que em março e 487.000 a menos que em abril de 2013. O índice de desemprego na Eurozona era de 12% na época.

A Eurostat também anunciou a primeira estimativa da inflação de maio, que registrou desaceleração a 0,5% na zona do euro, contra 0,7% em abril. A queda pressionará o Banco Central Europeu (BCE) a atuar contra a inflação baixa, que afeta o crescimento na zona do euro. O objetivo declarado do BCE é manter a inflação ligeiramente abaixo de 2%.

No índice de desemprego, os países com menores taxas continuam sendo Áustria (4,9%), Alemanha (5,2%) e Luxemburgo (6,1%), segundo a Eurostat. As mais elevadas permanecem na Grécia (26,5%, dados de fevereiro) e Espanha (25,1%). Mas os dois países registram tendência de queda: em abril de 2013 a taxa de desemprego na Grécia era de 26,7% e na Espanha, de 26,3%. Em 12 meses, as quedas mais significativas aconteceram em Portugal (17,3% a 14,6%) e Irlanda (de 13,7% a 11,9%).

No conjunto da União Europeia (28 países), o desemprego afetava 25,471 milhões de pessoas em abril, taxa de 10,4%, contra 10,5% em março. Em um mês o número de desempregados registrou queda de 151.000 na UE. Em ritmo anual, a queda chegou a 1,167 milhão.

Você pode gostar