Por marta.valim

O crescimento da zona do euro permaneceu estagnado no segundo trimestre, afetado pelos resultados ruins de Alemanha e França, as principais economias do bloco, segundo a primeira estimativa da agência europeia de estatísticas Eurostat.

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro, formada por 18 países, teve uma variação trimestral nula (0%), abaixo da estimativa do mercado, que acreditava em um crescimento de 0,2%, similar ao do primeiro trimestre.

No conjunto da União Europeia (UE), formada por 28 países, o PIB registrou avanço de 0,2%, um pouco abaixo do resultado do período janeiro-março (0,3%), informou a Eurostat.

A estagnação da Eurozona foi reflexo em grande medida dos resultados ruins da Alemanha, que registrou queda de 0,2% do PIB, e da França, paralisada em 0%.

O resultado alemão foi pior que o previsto pelos analistas, que projetavam uma queda de 0,1%, em parte por consequência do forte crescimento da principal economia europeia no primeiro trimestre (+0,7%).

A Itália, terceira economia do bloco, também registrou contração de 0,2% no período abril-junho.

No verão (hemisfério norte) de 2013 a zona do euro deixou para trás seis trimestres consecutivos de contração, mas os novos dados diluem as esperanças de uma recuperação sólida.

A falta de dinamismo do bloco também é refletida na inflação, que caiu a 0,4% em julho, o menor nível desde outubro de 2009, segundo a Eurostat.

Os analistas acreditavam em uma recuperação do PIB da Eurozona no segundo semestre, mas reduziram as projeções em consequência das tensões com a Rússia pela crise na Ucrânia.

"Parece que o crescimento do PIB (da Eurozona) em 2014 ficará abaixo de 1%", disse Peter Vanden, analista do ING Bank.

Você pode gostar