Por marta.valim

As novas sanções europeias contra Moscou, que afetam empresas petrolíferas, companhias do setor da Defesa e bancos, entraram em vigor na manhã desta sexta-feira ao serem publicadas no Boletim Oficial da UE.

As sanções também afetam 24 personalidades russas e ucranianas, acusadas de estar envolvidas no conflito no leste da Ucrânia, que não poderão viajar a países da União Europeia e verão seus ativos congelados.

As sanções impedem três companhias energéticas públicas (Rosneft, Transneft e o braço petrolífero da Gazprom), e outras três do setor da Defesa (OPK Oboronprom, United Aircraft Corporation e Uralvagonzavod) de captar capital nos mercados europeus.

Também são afetadas nove empresas que produzem bens de uso civil e militar, com as quais as companhias europeias não poderão comercializar.

Os 28 países da UE aprovaram as sanções na quinta-feira, após uma semana de debates sobre se deveriam aplicá-las quando está em vigor um cessar-fogo no leste da Ucrânia.

O presidente em fim de mandato do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, disse que as sanções poderão ser levantadas após uma avaliação exaustiva no fim de setembro do avanço do plano de paz no leste da Ucrânia.

Após a entrada em vigor destas novas sanções, o rublo caiu a um novo mínimo em relação à moeda americana, a 37,72 por um dólar.

Você pode gostar