Por diana.dantas

Paris - Um dos dois irmãos que mataram 12 pessoas no ataque contra o jornal semanal francês Charlie Hebdo nesta semana disse ter sido financiado pelo pregador da Al Qaeda Anwar al Awlaki no Iêmen.

Leia mais: Polícia francesa mata três terroristas que atacaram jornal em Paris

Cherif Kouachi, que foi morto junto ao irmão mais velho pela polícia nesta sexta-feira depois de um cerco policial no norte da França, após três dias de perseguição, fez a afirmação à BFM-TV antes da sua morte, enquanto estava refugiado numa gráfica.

"Eu fui enviado, eu, Cherif Kouachi, pela Al Qaeda do Iêmen. Eu fui lá e foi Anwar al Awlaki que me financiou", disse ele à BFM-TV por telefone, de acordo com uma gravação transmitida pelo canal de TV depois do fim do cerco.

Al Awlaki, influente recrutador internacional para a Al Qaeda, foi morto em setembro de 2011 no ataque de um veículo aéreo não tripulado.

Uma fonte do setor de inteligência do Iêmen disse mais cedo à Reuters que o irmão de Cherif, Said Kouachi, também havia se encontrado com al Awlaki durante um período no Iêmen em 2011.

Amedy Coulibaly, o agressor ligado aos irmãos Kouachi que morreu depois do cerco policial a um mercado em Paris nesta sexta-feira, procurou separadamente a BFM-TV, dizendo que ele queria defender os palestinos e atacar os judeus. Quatro dos reféns tomados por ele no local morreram.

Coulibaly se disse leal ao Estado Islâmico e afirmou que ele havia planejado conjuntamente os ataques com os irmãos Kouachi. A polícia diz que eles eram todos membros da mesma célula extremista no norte de Paris.

Você pode gostar