Por gabriela.mattos

Itália - O escritor italiano Umberto Eco, autor de ‘O Nome da Rosa’, morreu nesta sexta-feira, aos 84 anos. De acordo com o jornal ‘La Repubblica’, a morte foi registrada às 22h30 (horário local, 19h30 de Brasília), em sua casa, mas a causa ainda não foi divulgada.

Pensador, filósofo, ensaísta, romancista e crítico literário, Umberto Eco era figura de renome no meio acadêmico e referência em semiótica, mas ganhou sucesso internacional com ‘O Nome da Rosa’, obra adaptada para o cinema em 1986 pelo diretor Jean-Jacques Annaud, com Sean Connery no papel principal. No enredo, ambientado em 1327, um monge franciscano tem a missão de descobrir as misteriosas mortes de sete monges em sete dias.

Seu último livro, ‘Número Zero’, foi lançado ano passado e critica o mau jornalismo, a mentira e a manipulação da história. “Essa é minha maneira de contribuir para esclarecer algumas coisas. O intelectual não pode fazer nada, não pode fazer a revolução. As revoluções feitas por intelectuais são sempre muito perigosas”, explicou o autor na época à Efe.

Um dos semiólogos e intelectuais europeus mais importantes deste século, ele também escreveu obras como ‘O Pêndulo de Foucault’ e ‘O Cemitério de Praga’, além dos ensaios ‘O Problema Estético’, ‘O Sinal’, ‘Tratado Geral de Semiótica’ e ‘Apocalípticos e Integrados’, referência nos cursos de Comunicação no mundo.

Recentemente, Eco disse que “as redes sociais deram voz a legião de imbecis” quando recebeu o título de doutor honoris causa em Comunicação e Cultura em Turim. “Os imbecis eram imediatamente calados, mas agora eles têm o mesmo direito à palavra de um Nobel. O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade.”

Umberto Eco nasceu em Alexandria, na Itália, no dia 5 de janeiro de 1932. Em 1988, ele fundou o Departamento de Comunicação da Universidade de San Marino. 


Umberto Eco morre aos 84 anosReuters


Você pode gostar