Donald Trump, o candidato da Ku Klux Klan

Membros do grupo racista fazem campanha para o polêmico empresário

Por O Dia

Las Vegas, Estados Unidos - Dono de um discurso xenófobo e contra as minorias, o falastrão Donald Trump, cada vez mais favorito a vencer as primárias do Partido Republicano, ganhou apoio de peso, tão polêmico quanto suas falas ácidas. No caucus de Nevada, membros da Ku Klux Klan, longeva organização que prega a supremacia branca e com longo histórico de agressões a negros, fizeram campanha para o empresário — a caráter.

Com as vestes brancas e o capuz triangular tapando o rosto, eleitores erguiam cartazes nos locais de votação repetindo o slogan de Trump: “Torne a América grande outra vez”. A KKK, como é conhecida, vem crescendo nos Estados Unidos. Em 1990, eram 28 representações. Ano passado, conheciam-se 190 braços da organização, que ainda não se manifestou oficialmente sobre as eleições. A descentralização é uma das marcas da atual safra de supremacistas brancos.

Montagem que circulou nas redes sociais copiou a boca de Trump no lugar dos olhos (D)%3A notaram a diferença%3FDivulgação

Críticos de Trump o acusam de encorajar o discurso de ódio e de não rejeitar as bandeiras da KKK. Suas promessas de campanha incluem construir um muro na fronteira com o México, para impedir a entrada de imigrantes, e banir muçulmanos dos Estados Unidos.

Não é o único revés no caminho de Trump. Antiga denúncia de estupro foi desenterrada na tentativa de desestabilizá-lo às vésperas da Superterça (leia mais ao lado). O caso aconteceu nos anos 90 com uma maquiadora, que o acusou de tocar nas suas partes íntimas. A mulher teria desistido da ação semanas depois, mas o caso voltou à tona esta semana. Ano passado, um assessor de Trump causou polêmica ao afirmar que “não existe estupro entre pessoas casadas”. Ele pediu desculpas.

Em debate, alvo de Cruz  e Rubio

Os pré-candidatos presidenciais republicanos Marco Rubio e Ted Cruz partiram para cima de Donald Trump, o favorito nas pesquisas, em acalorado debate na quinta-feira, a poucos dias da ‘Superterça’, quando 13 estados vão às urnas no momento mais importante das primárias.

Rubio e Cruz desferiram golpes em Trump, receberam fogo cerrado em resposta e fizeram muita gente se perguntar por que não adotaram tal estratégia nos debates das últimas semanas, quando Jeb Bush, ex-governador da Flórida e que desistiu da disputa, era quem mais atacava.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência