Ganhou R$ 210 milhões por ‘nudes’ roubados

Jornalista consegue indenização por vídeo íntimo gravado à revelia em hotel

Por O Dia

Rio - Vítima de um ‘voyeur’ que gravou e espalhou na internet um vídeo de nudez dela, a repórter americana Erin Andrews, 37 anos, será indenizada em 55 milhões de dólares, ou quase R$ 210 milhões. A decisão da Justiça americana saiu ontem, depois de sete dias de julgamento. A sentença considerou a rede de hotéis Marriott culpada pelo incidente. O autor do crime, o executivo Michael David Barrett, terá de pagar 51% da quantia fixada. O hotel, os 49% restantes. A jornalista esportiva chorou com o desfecho.

Erin%2C que hoje está na Fox Sports%2C agradeceu o apoio de seus fãsReprodução

O episódio aconteceu em 2008, em Nashville, capital do Tennessee. Barrett, então com problemas financeiros, decorrentes de más apostas nas bolsas, premeditou o crime e calculou cada passo, acreditando ganhar dinheiro com a arapongagem. À Justiça, o executivo explicou que escolhera Erin porque ela, então repórter da ESPN, já era famosa. E contou com seguidas falhas de segurança do Marriott para conseguir gravar as imagens.

“No restaurante do hotel, peguei o telefone fixo e pedi para transferirem para o quarto de Erin”, relatou. “Nesse momento, no visor do aparelho, apareceu o número do apartamento”, contou. Em seguida, Barrett foi ao lobby e pediu para se hospedar no quarto ao lado.

O voyeur logo se certificou de que Erin era sua vizinha e esperou que ela deixasse o apartamento. Como uma serra, o executivo tirou uma das lentes do olho-mágico e fez uma gravação de teste. Depois, esperou a jornalista voltar. Ao ouvir o chuveiro ligado, correu para o corredor, pôs o celular no olho-mágico danificado e flagrou a repórter nua.

Barrett tentou vender o ‘nude’ ao site de fofocas ‘TMZ’, mas não conseguiu. Acabou jogando na internet. Confessou o crime e pegou 20 meses de prisão. Agora está falido. “Fiquei honrada pelo apoio de vítimas por todo o mundo”, disse Erin. 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência