Policiais que mataram Jean Charles não devem ser punidos; família perde disputa

Em 2005, duas semanas após atentados terroristas terem matado mais de 50 pessoas na capital britânica, o brasileiro foi morto a tiros na estação de metrô Stockwell no sul de Londres

Por O Dia

Reino Unido - O Tribunal Europeu de Direitos Humanos reafirmou a decisão da Justiça do Reino Unido de não processar os policiais que mataram o eletricista Jean Charles de Menezes em julho de 2005, em uma estação de metrô na capital britânica. A decisão da instância europeia representa uma derrota para a família do brasileiro e põe fim a uma disputa com as autoridades que já dura mais de uma década.

Maria Otone de Menezes e Matozinhos Otone da Silva%2C pais de Jean CharlesReuters

O Tribunal Europeu em Estrasburgo argumenta que "não havia provas suficientes contra qualquer oficial individualmente para processá-lo". Após sofrer derrota na Justiça britânica, a família de Jean Charles levou caso à Corte Europeia com o argumento de que a decisão dos ingleses era incompatível com o artigo 2 da Convenção Europeia de Direitos Humanos.

Foto do brasileiro%2C confundido com um terrorista e morto em um vagão de metrô%2C virou memorial em LondresEfe

No dia 22 de julho de 2005, duas semanas após atentados terroristas terem matado mais de 50 pessoas na capital britânica, o brasileiro foi morto a tiros na estação de metrô Stockwell no sul de Londres. Menezes morava em Tulse Hill, no sul de Londres, mesmo bairro onde viviam dois suspeitos dos ataques terroristas ocorridos no dia 7 de julho daquele ano. Antes de ser morto, o eletricista foi seguido por policiais da residência até a estação de metrô, no caminho para o trabalho.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência