Desabamento de ponte na Índia deixa dezenas de mortos

Socorristas estão trabalhando para tentar tirar as vítimas dos escombros. Mais de 70 já foram levados para hospitais

Por O Dia

Índia - O desabamento de uma ponte em Calcutá, na Índia, deixou ao menos 22 mortos e 78  feridos, informaram autoridades locais nesta quinta-feira.  Cerca de 270 membros de equipes de resgate, apoiadas pelo exército, buscam sobreviventes sob os escombros, mas "há um número indeterminado de gente soterrada", segundo o assessor de Operações da Autoridade Nacional de Gestão de Desastres da Índia (NDMA), Anurag Gupta,

"Cinco de nossas equipes, com 270 integrantes, trabalham no local e outras cinco estão a caminho, que somarão 500 trabalhando ali nas próximas horas", disse Anil Shekhawat, comandante adjunto da Força de Resposta de Desastres Nacionais (NDRF).

Autoridades calculam que centenas de pessoas ficaram soterradas após o desmoronamento da ponteEFE

Gupta indicou que as equipes de emergências "empregam todo tipo de recurso em seus trabalhos, como câmeras, sensores e cães farejadores para encontrar essas pessoas, além das máquinas" que estão retirando escombros.

O exército indiano enviou cinco colunas com maquinário para a retirada de escombros e com sistemas de localização de pessoas, além de três equipes de saúde com dez ambulâncias e uma de engenheiros, detalhou em sua conta no Twitter.

A chefe de governo do estado de Bengala, Mamata Banerjee, disse no local do acidente que atuará "contra os culpados" assim que for averiguada a causa do desabamento parcial da ponte Vivekanand, que estava em construção desde 2009.

Desabamento de elevado em Calcutá EFE

Os funcionários da construtora, IVRCL, deixaram a sede da empresa em Hyderabad, no sudeste da Índia, logo após saberem da queda, segundo a rede de TV indiana "ANI". Um trabalhador da obra que ficou ferido disse à AFP que durante a manhã os parafusos da estrutura começaram a se afrouxar. “Estávamos pegando duas vigas de aço para os pilares, mas as vigas não suportaram o peso do cimento”, disse Milan Sheij. A empreiteira recebeu em 2009 prazo de 18 meses para terminá-la, com orçamento de 25 milhões de dólares, mas sete anos depois 55% da obra ainda não foi finalizada.

No entanto, um dos responsáveis da companhia, Panduranga Rao, disse a jornalistas que o acidente em Calcutá "não foi nada além de um ato de Deus", ao garantir que nada como isso aconteceu em 27 anos de empresa.

Uma câmera de segurança no local registrou imagens da construção desabando sobre pedestres, veículos e lojas.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, que está em viagem oficial aos Estados Unidos, deu através do Twitter suas condolências às famílias dos mortos e seu desejo de pronta recuperação dos feridos, após afirmar estar "impactado e entristecido" pelo fato.


Últimas de _legado_Mundo e Ciência