Panamá Papers: Escritórios da Mossack Fonseca em El Salvador são alvos de buscas

Computadores e documentos foram recolhidos. Sete funcionários foram ouvidos pela Justiça

Por O Dia

San Salvador - As autoridades policiais de El Salvador fizeram buscas nos escritórios da empresa que está no centro da investigação Panamá Papers, a Mossack Fonseca. Os policiais apreenderam um computador, informou neste sábado a Procuradoria-Geral do país pela rede social Twitter.

Na quarta-feira, as autoridades de El Salvador já haviam anunciado a abertura de uma investigação sobre os 33 cidadãos citados no escândalo para apurar se teriam violado alguma lei.

O procurador estatal, Douglas Melendez, que visitou as instalações da empresa de advocacia na sexta-feira, disse aos jornalistas que cerca de 20 computadores e vários documentos foram confiscados. E sete funcionários foram ouvidos. Eles não chegaram a ser detidos.

A decisão de fazer as buscas foi tomada após ter sido constatado que funcionários da empresa estariam retirando a marca da companhia do exterior do edifício. “Vamos levar a cabo uma investigação completa, de acordo com a lei”, acrescentou Melendez, que apelou às empresas que tenham tido negócios no passado com a Mossack Fonseca para entrarem em contato com a procuradoria. 

Os clientes salvadorenhos da empresa Mossack Fonseca usavam offshores para fazer operções envolvendo milhares de dólares, que serviam para comprar imóveis em El Salvador “sob o radar das autoridades locais”, revelou o jornal local El Faro.

A Panamá Papers é uma investigação feita pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, sigla em inglês) sobre a indústria de empresas offshore. Esse tipo de empresa pode ser usada para esconder dinheiro e dificultar o rastreamento de seus verdadeiros donos.

O ICIJ, com apoio do jornal alemão Süddeutsche Zeitung, teve acesso a 11,5 milhões de documentos ligados ao escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca. Os milhões de documentos vazados foram esmiuçados por mais de 370 jornalistas de 76 países. Os documentos mostraram que a Mossack Fonseca, que tem escritórios em outros países, é uma das maiores criadoras de empresas de fachada do mundo. A documentação analisada apontou a criação de 214 mil empresas offshore ligadas a pessoas em mais de 200 países e territórios.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência