Obama diz que fará 'todo o possível' para ajudar Equador após terremoto

O terremoto deixou mais de 400 mortos, 4.027 feridos, 231 desaparecidos e 20 mil pessoas sem fora de suas casas

Por O Dia

O presidente dos EUA, Barack ObamaEfe

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ligou nesta terça-feira para Rafael Correa, presidente do Equador, para expressar condolências pelo terremoto que afetou o país sul-americano no sábado e prometeu que fará "todo o possível" para ajudar nos trabalhos de recuperação após o desastre.

"Os dois líderes conversaram sobre a ajuda que o governo americano proporcionou para apoiar as vítimas do terremoto, e o presidente (Obama) garantiu ao presidente Correa que os Estados Unidos farão todo o possível para apoiar a recuperação do Equador", disse a Casa Branca em comunicado.

Uma equipe da Agência para o Desenvolvimento Americano (Usaid) chegou ao Equador para ajudar na distribuição de ajuda de emergência à população afetada, conforme anunciou hoje o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, em sua entrevista coletiva diária.

Essa equipe foi enviada "a pedido do governo equatoriano" e "ajudará na distribuição de provisões de emergência às populações afetadas pelo terremoto", explicou Kirby. A Usaid não tem escritório no Equador, país que abandonou em setembro de 2014 depois que o governo equatoriano anunciou que a cooperação com a agência - que faz parte do Departamento de Estado americano - estaria congelada até a assinatura de um novo convênio bilateral.

Em sua conversa com Obama, "o presidente Correa agradeceu ao povo americano pela ajuda neste difícil momento", de acordo com a Casa Branca. O terremoto deixou mais de 400 mortos, 4.027 feridos, 231 desaparecidos e 20 mil pessoas sem fora de suas casas, segundo os últimos números divulgados pelo governo equatoriano. Correa calculou hoje em US$ 3 bilhões o prejuízo causado pelo terremoto, o que representa "3% do Produto Interno Bruto" e "significa anos de reconstrução".

Últimas de _legado_Mundo e Ciência