Padre pedófilo indeniza cinco vítimas em R$ 100 mil

Mauro Inzoli é acusado de pelo menos oito episódios de abuso. Ele usava como álibis 'exercícios espirituais' em seu escritório

Por O Dia

Itália - O padre italiano Mauro Inzoli, acusado de pelo menos oito episódios de pedofilia contra cinco adolescentes, aceitou indenizar as supostas vítimas. O acordo foi feito nesta quarta-feira, durante uma das audiências do processo no qual ele é réu por violência sexual e abuso de autoridade.

O "religioso" pagou 25 mil euros (R$ 100 mil) para as famílias de cinco jovens que tinham na época entre 12 e 13 anos e dizem terem sido violentados por ele, totalizando 125 mil euros (R$ 500 mil). Apelidado pela imprensa italiana de "Dom Mercedes" devido à sua paixão por carros de luxo, Inzoli, de 66 anos, foi durante três décadas o líder carismático da entidade católica Comunhão e Libertação (CL) na província de Cremona.

Padre italiano Mauro Inzoli cometia abusos em escritório dizendo que eram 'exercícios espirituais'Reprodução Youtube

Segundo o procurador Roberto di Martino, o cargo serviu para o padre se aproximar e abusar de jovens, usando como álibis "exercícios espirituais" em seu escritório e os retiros promovidos pela CL. Por conta disso, ele pode ser condenado a 12 anos de prisão. A próxima audiência do processo será no fim de junho.

O escândalo envolvendo Inzoli estourou em dezembro de 2012, quando a própria Cúria da cidade de Crema anunciou que o papa Bento XVI havia reduzido o padre ao "estado laical", medida que, na prática, o desligou do clero. A sanção foi suavizada em 2014, quando Francisco impôs uma "pena medicinal perpétua" ao sacerdote.

A sentença prevê que Inzoli leve uma vida de "orações e discrição", como sinal de "conversão e penitência". No entanto, em janeiro de 2015, o padre foi visto em um congresso em Milão em defesa da "família tradicional" organizado por associações favoráveis à "cura gay", levando o caso de volta ao noticiário. 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência