Por clarissa.sardenberg

Vietnã - O presidente americano, Barack Obama, fez nesta terça-feira uma defesa da democracia e dos direitos humanos durante sua visita ao Vietnã, país que já foi inimigo dos Estados Unidos e é governado por um partido comunista. "Garantir os direitos não é uma ameaça para a estabilidade de um país", afirmou o presidente em seu discurso, muito aplaudido, para mais de 2.000 pessoas e exibido ao vivo pela televisão.

"Quando os candidatos podem concorrer livremente nas elei√ß√Ķes, o pa√≠s se torna mais est√°vel porque os cidad√£os sabem que seu voto conta", destacou, um dia depois de uma elei√ß√£o legislativa no Vietn√£ em que os candidatos independentes foram vetados.

Obama teve discurso aclamado no Vietn√£EFE

"Quando a imprensa é livre, o povo tem confiança no sistema", completou Obama, em um país onde os meios de comunicação passam por um rígido controle.

Milhares de pessoas se reuniram √†s margens da estrada que segue at√© o aeroporto, onde Obama embarcar√° nesta ter√ßa-feira no Air Force One para viajar at√© Ho Chi Minh, ex-Saigon, local repleto de hist√≥ria e tamb√©m o centro econ√īmico do Vietn√£.

Milhares se reuniram para prestigiar presidente dos Estados Unidos%2C Barack Obama%2C no Vietn√£ EFE

Depois de se reunir na segunda-feira com as principais autoridades do pa√≠s e do Partido Comunista vietnamita, e de ter anunciado o fim do embargo da venda de armas ao Vietn√£, Obama ressaltou a grande aproxima√ß√£o entre os dois pa√≠ses nos √ļltimos 20 anos.

"Venho aqui, consciente do passado, de nossa difícil história, mas olhando para o futuro", disse Obama, terceiro presidente americano a visitar o Vietnã desde o fim da guerra em 1975.

Ele elogiou os "extraordin√°rios progressos", realizados pelo pa√≠s de 90 milh√Ķes de habitantes na luta contra a pobreza e pediu aos jovens vietnamitas que "assumam o controle de seu destino".

"Um sonho que se tornou realidade. Estou impressionada", reagiu Tam Anh, estudante de Comércio Internacional. "Estou feliz de vê-lo de perto, é um sonho que se tornou realidade. Sempre assisto seus discursos no YouTube. Concordo com ele sobre os direitos humanos, tenho o direito de expressar minhas ideias, de dizer o que penso", completou.


Você pode gostar