Após ataque em Nice, François Hollande reforçará luta contra o Estado Islâmico

Governo francês tem realizado ataques aéreos contra o grupo e dado treinamento para exércitos locais; país mas não pensa em enviar tropas para o Iraque e Síria

Por O Dia

Paris - O presidente da França, François Hollande, anunciou nesta sexta-feira que ampliará a atuação do país no Oriente Médio, reforçando a ajuda ao Iraque, com o objetivo de combater os jihadistas do Estado Islâmico, após o ataque a Nice que deixou 84 mortos. "O fundamentalismo é nosso inimigo", disse Hollande durante pronunciamento no Palácio do Eliseu.

O governo francês já tem realizado ataques aéreos contra o grupo e dado treinamento para exércitos locais, mas não pensa em enviar tropas para atuar em solo. "Apesar de a França ter sido alvo do ataque do dia 14 de julho, todo o mundo estava na mira", destacou Hollande, ao acrescentar que 12 pessoas continuam hospitalizadas "entre a vida e a morte".

Após ataque em Nice%2C Hollande anunciou reforço na luta contra o Estado IslâmicoDivulgação/Presidência da República da França

Hollande ainda anunciou planos de expandir o contingente militar dentro da própria França nos próximos meses, diante de críticas ao governo por não ter conseguido prevenir o ataque da semana passada, apesar de o estado de emergência ainda estar vigente em todo o país.

Segundo as autoridades, o agressor Mohamed Bouhlel planejou o ataque por meses e agiu com a ajuda de cúmplices. Ele avançou com um caminhão contra a multidão que festejava a Queda da Bastilha, na Promenade des Anglais.

Na última quinta-feira, o Parlamento francês aprovou a prorrogação por seis meses do estado de emergência no país, como havia pedido o presidente.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência