Triplo feminicídio comove população da Argentina

Mulheres de 30, 45 e 80 anos foram mortas por ex-companheiro de uma delas

Por O Dia

O crime ocorreu três dias depois do protesto contra a violência a mulheresEfe

Rio - Um triplo feminicídio voltou a provocar comoção ontem, na Argentina, três dias depois do grande protesto contra a violência machista, que teve repercussão em cidades da América Latina e na Espanha. Um homem de 30 anos assassinou sua ex-companheira, a irmã dela e a avó das duas, e feriu gravemente uma bebê de 7 meses e um menino de 11 anos em Godoy Cruz, um bairro residencial na Província de Mendoza, 1,1 mil quilômetros a oeste de Buenos Aires

“O agressor já está preso’, disse Roberto Muñoz, chefe da polícia local, a jornalistas. O ministro da Segurança de Mendoza, Gianni Venier, afirmou que o homem “também deixou o gás da casa aberto e uma vela acesa” com o objetivo de causar uma explosão. “Este psicopata estava em pleno uso de suas faculdades”, afirmou.

O detido é um professor de artes marciais que manteve um relacionamento com uma das vítimas, uma mulher de 30 anos, segundo fontes ligadas à investigação. As outras duas mulheres assassinadas tinham 45 e 80 anos, sendo que a mais idosa estava “de cama”, segundo o ministro. Um funcionário informou que o assassino também “tentou matar a bebê”, cujo estado de saúde “é gravíssimo”.

O diretor do hospital pediátrico de Mendonza, Raúl Rufeil, afirmou à emissora C5N que “a bebê e o menino estão (em estado) grave”. “O garoto tem múltiplos ferimentos por arma branca, o mais grave no abdome, e está passando por cirurgia”, disse Rufeil. Segundo ele, as crianças são irmãos e filhos de uma das vítimas. 

*Com informações do Estadão Conteúdo

Últimas de _legado_Mundo e Ciência