Obama diz que transição para governo Trump na Casa Branca vai ser pacífica

Presidente incentivou os jovens a não se esquivarem de suas convicções políticas, comentando que jogo da democracia é mesmo imprevisível

Por O Dia

Estados Unidos - O presidente norte-americano Barack Obama comentou nesta quarta-feira a vitória de Donald Trump à Casa Branca. Durante o discurso, o democrata parabenizou sua equipe, procurou injetar ânimo na população decepcionada com o resultado da eleição, mas deixou claro que a "Presidência é maior" do que qualquer diferença, desejando sucesso ao republicano. Ao lado do vice-presidente Joe Biden, Obama afirmou: "Nós estamos torcendo por seu sucesso em unir e liderar esse país. A transferência pacífica de poder é um dos marcos da democracia."

Obama e vice-presidente Joe Biden em prenunciamento sobre vitória de Trump EFE

Sobre a troca de poder na Casa Branca, Obama disse com categoria que está seguro de que fez seu melhor e tem tudo preparado. "Disse à minha equipe para manter a cabeça erguida porque o trabalho que têm feito deixou para o próximo presidente um país mais forte e melhor. Todos devem estar extraordinariamente orgulhosos do trabalho que têm feito, assim como todos os americanos", falou.

Obama e a mulher Michelle vinham fazendo campanha maciça para a democrata Hillary Clinton. "Eu não poderia estar mais orgulhoso dela. Muitos americanos se espelham nela. Sua candidatura e nomeação foram históricas", afirmou ele.

O presidente procurou incentivar os jovens a não se esquivarem de suas convicções políticas, comentando que o jogo da democracia é mesmo imprevisível.

"Essa foi uma longa campanha. Essa é a natureza da democracia. Nem sempre é inspiradora, mas para os jovens que talvez tenham ficado desapontados com os resultados, não sejam cínicos, lutem pelo que acreditam ser certo. Às vezes você perde uma discussão, às vezes perde uma eleição", afirmou.

Recobrando o ar desconstraído, ele levou os jornalistas às risadas ao completar: "Eu já perdi eleições antes, Joe não" — apontando para o vice, que perdeu as primárias para ele em 2008.

"A gente tenta persuadir as pessoas e nem sempre consegue. Quando perde, lambe as feridas, volta à arena e continua com boa fé. É assim que esse país tem promovido a liberdade ao redor do mundo", afirmou, em discurso característico norte-americano. "Finalmente, estamos todos no mesmo time", finalizou.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência