Por clarissa.sardenberg

Rio - O acidente com o avião que levava o time da Chapecoense na madrugada desta terça-feira, em Medellín, na Colômbia, é amplamente repercutido no noticiário internacional. Em muitos dos principais site norte-americanos e europeus, a tragédia é principal destaque. O "New York Times" publicou que o Brasil está devastado com o acidente que vitimou o time da Chapecoense. A gigante da Internet Google também deixou uma marca de luto em sua página como sinal de solidariedade pela tragédia.

Mirror foi um dos sites internacionais que destacou tragédia da Chapecoense Reprodução Internet

O "Daily Mail" fala sobre o caso do filho do técnico Caio Júnior, que esqueceu seu passaporte e por isso escapou do voo. "Tragédia de proporções gigantescas", manchetou o Washington Post, falando também sobre o difícil trabalho de resgate na região motanhosa do local do acidente. 

O "Mirror" é outro jornal com ampla cobertura do trabalho de resgate na Colômbia, falando especialmente sobre o resgate do zagueiro Neto. A Aeronáutica Civil da Colômbia já havia dadas por encerradas as buscas e anunciado que encontrara apenas seis pessoas com vida no avião da Chapecoense quando um socorrista ouviu gemidos vindos dos escombros e encontrou o defensor. Resgatado, ele foi levado em estado grave a um hospital de Medellín.

Acidentes envolvendo times de futebol, como os do Manchester United, Torino, Alianza de Lima e das seleções de Zâmbia e Dinamarca, são relembrados. Em 6 de fevereiro de 1958, a equipe do United foi parada por uma terrível tragédia. Após partida válida pelas quartas de final da Liga dos Campeões da Uefa, o voo que regressava para a Inglaterra com o time foi abatido por uma tempestade de neve enquanto tentava decolar. O acidente deixou 23 mortos, entre eles oito jogadores.

Diversos times e jogadores usaram as redes sociais para lamentar o acidente e manifestar apoio ao clube catarinense e seus familiares. "Rezem pela Chapecoense e seus familiares", pediu Lukas Podolski, do Galatasaray. Na Espanha, atletas do Real Madrid e do Barcelona fizeram um minuto de silêncio antes do treino desta terça-feira.

Tragédia da Chapecoense

O avião que levava o time da Chapecoense para Medellín, na Colômbia, tinha na lista de passageiros 81 pessoas, sendo 72 passageiros e 9 tripulantes. Entretanto, três não embarcaram no voo: O prefeito de Chapecó (SC), Luciano Buligon, além de Plinio de Nes Filho, presidente do Conselho Deliberativo do clube e o deputado estadual Gelson Merisio (PSD), presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc).

As autoridades colombianas, entretanto, não confirmam se outras três pessoas voaram no lugar deles.

Sobreviveram a tragédia e foram resgatados com vida quatro jogadores da Chapecoense: os goleiros Danilo e Follmann, além do lateral Alan Ruschel e do zagueiro Neto. No começo da manhã, a Cruz Vermelha confirmou que Danilo não resistiu aos ferimentos e estava entre as vítimas fatais.

Também o jornalista Rafael Henzel e os tripulantes Ximena Suarez e Erwin Tumiri foram socorridos e levados aos hospitais da região.

Você pode gostar