Presidente da Coreia do Sul é afastada após parlamento aprovar impeachment

Park Geun-Hye enfrenta acusações de conivência com corrupção. Processo de destituição vai para a Corte coreana, que tem até 180 dias para decidir

Por O Dia

Coreia do Sul - O Parlamento da Coreia do Sul aprovou nesta sexta-feira o impeachment da presidente Park Geun-Hye, envolvida em um escândalo político. Os poderes da mandatária foram suspensos após a moção de impeachment ser aprovada por 234 votos a favor e 56 contrários. Dois parlamentares se abstiveram e sete cédulas foram consideradas nulas.

Park Geun-hye ao lado de Dilma Roussef: Unidas pelo processo de impeachment Reuters

O processo de impeachment, agora, precisa ser aprovado pelo Tribunal Constitucional da Coreia do Sul, que tem até 180 dias para decidir sobre o tema. Durante este período, o primeiro-ministro Hwang Kyo-ahn assumirá o posto.

A presidente será formalmente retirada do cargo se seis dos nove juízes do tribubal aprovarem o impeachment. Se isto ocorrer, a Coreia do Sul deverá convocar novas eleições presidenciais em 60 dias. O escândalo começou quando Park Geun-Hye se desculpou publicamente pelo vazamento de vários discursos presidenciais que ainda não tinham sido pronunciados. Os textos tinham sido dados à sua amiga Choi Soon-sil, que também é suspeita de ter se apropriado de US$ 70 milhões de grandes empresas do país. 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência