Por bianca.lobianco
Ancara - Pelo menos seis pessoas foram detidas pela polícia turca, de acordo com a mídia estatal. As prisões foram feitas logo após o assassinado do embaixador russo na Turquia. A vítima foi morta a tiros, pelas costas, durante discurso em uma galeria de arte em Ancara, na tarde de segunda-feira, por um policial que estava fora de serviço e que gritou "não esqueçam Aleppo" e "Allahu Akbar".

Nesta terça, a mãe, o pai, a irmã e dois parentes do atirador foram detidos na província de Aydin. O colega de departamento dele em Ancaram também foi levado.

Embaixador concedia uma entrevista no momento do ataqueReprodução / Twitter ANADOLU AJANSI

Através de nota, o governo dos Estados Unidos condenou o assassinato do embaixador russo. "Os EUA condenam fortemente o assassinato em Ancara do embaixador russo, que deixou ainda feridas outras pessoas. Este odioso ataque a um membro do corpo diplomático é inaceitável e nós estamos com a Rússia e com a Turquia na nossa determinação de enfrentar o terrorismo em todas as suas formas", diz a nota. A Casa Branca ainda desejou condolências aos familiares do embaixador, ao povo e ao governo russo.

O secretário de Estado, John Kerry,  informou que está disposto a ajudar nas investigações do caso.

Os Estados Unidos informaram que as três missões do país na Turquia seriam fechadas nesta terça-feira após disparos. A embaixada dos EUA fica próxima a galeria onde ocorreu o assassinato.
Publicidade
Quem também se manifestou em nota foi o Ministério das Relações Exteriores da Turquia. "Condenamos este vil ataque terrorista. O embaixador Karlov foi um diplomata excepcional que trabalhou em um período difícil na Turquia e que ganhou a estima de todos por sua capacidade pessoal e profissional. Não permitiremos que este ataque estrague a amizade entre Turquia e Rússia", diz o comunicado.