Por luana.benedito

Washington - O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, saiu desta sexta-feira, da reunião com as chefes das agências de inteligência do país declarando que o encontro foi “construtivo”, mas sem dar sinais de que voltaria atrás no discurso de que CIA, FBI e NSA (Agência de Segurança Nacional) estão erradas na conclusão de que houve interferência russa nas eleições americanas.

Donald TrumpAFP

Minutos após o término da reunião, Trump admitiu que computadores dos EUA, entre eles os do Comitê Nacional Democrata, foram hackeados, e provavelmente pela Rússia, mas “isso não teve absolutamente nenhum efeito no resultado da eleição”. Nas últimas semanas da campanha eleitoral, a candidata Hillary Clinton e os democratas afirmavam que a Rússia estava por trás da divulgação de documentos que poderiam prejudicar sua candidatura.

Da forma como a declaração do republicano foi emitida, a impressão passada era a de que essa havia sido a conclusão das autoridades de inteligência, incluindo o diretor do Departamento de Inteligência Nacional, James Clapper, e o diretor da CIA, John Brennan, que estavam presentes no encontro – o primeiro pessoalmente após as constantes críticas do magnata aos serviços de inteligência do país.
Na quinta-feira, Clapper testemunhou no Senado e declarou que não havia como determinar o tamanho do impacto da espionagem nas eleições.

Você pode gostar