Por bianca.lobianco
Publicado 04/02/2017 18:25 | Atualizado 04/02/2017 18:29

Rio - Muita gente sabe que atividades físicas ajudam a combater o sedentarismo e a evitar doenças, certo? Mas uma rotina de exercícios adequados é também um importante aliado para quem já sofre com doenças crônicas ou até mesmo já passou por sérias enfermidades. É o caso de Aluísio Cunha que, aos 86 anos, encontrou na academia uma forma de vencer um câncer de próstata..

Aos 86 anos%2C Aluísio decidiu%2C há três%2C voltar para a academia após se tratar de um câncer%3A “Me sinto melhor”Divulgação

Há dez anos, Aluísio passou por uma cirurgia e precisou fazer radioterapia. Nesta época, ele que não era de fazer exercícios físicos descobriu a importância de praticar atividades. “Uma luz acendeu e eu resolvi procurar alguma atividade física. Eu estou bem, mas não tive alta definitiva”, conta ele, que resolveu entrar para uma academia e há três anos faz hidroginástica. “Também faço esteira, bicicleta e outros aparelhos”, conta ele.

Estudos indicam que a atividade física pode fazer com que o paciente diminua a quantidade de remédios ou até mesmo deixe de tomá-los. Por isso, é cada vez maior o número de médicos que recomendam a seus pacientes a prática de exercícios voltados para o controle e tratamento de suas doenças. “(Fazer exercícios) se tornou uma necessidade. Estou com mais saúde agora. Acho que o câncer eu superei, me sinto curado, mas eles (os médicos) querem continuar me controlando”, conta Aluísio.

De olho nessa demanda, surgem no mercado profissionais de Educação Física e academias especializadas no combate a doenças crônicas, como hipertensão, cardiopatia e diabetes. “Tenho uma rede de médicos parceiros, que já me encaminham seus pacientes para que possamos colaborar com a sua reabilitação”, explica Guilherme Noira, da academia NB Fit.  

Curso para profissionais que atendem grupos especiais

Para Ana Cristina Barreto, coordenadora de Educação Física do Centro Universitário Celso Lisboa, entender a academia como um espaço que necessita ser democrático, inclusivo e preparado para os idosos que tendem a apresentar mais problemas de saúde é essencial.

“As academias hoje em dia são um espaço democrático, que recebem pessoas dos mais diferentes perfis. Há, inclusive, algumas que atendem especificamente pessoas que apresentam alguma patologia. Além disso, os médicos já entendem a importância deste profissional, que age complementarmente e sempre em parceria com ele”, analisa. Ela coordena a pós-graduação em Atividade Física para Grupos Especiais da universidade: “O mercado vem demandando esse profissional e os próprios estudantes pediram um curso com enfoque nessa área”. 

OPÇÕES

PÚBLICO EXCLUSIVO

A NB Fit, em Ipanema, já nasceu há sete anos com o propósito exclusivo de atender pessoas que sofrem de doenças nos sistemas cardiorrespiratório, metabólico ou osteomioarticular. O empresário e professor de Educação Física Guilherme Noira conta hoje com mais de 140 alunos — no começo eram cerca de 30. Ele explica que anteriormente atuava como autônomo e detectou a demanda cada vez maior dos seus clientes por atendimentos especiais, então resolveu focar nesse público.

PROGRAMA CARE

A rede de academias Bodytech monta um programa especial para idosos, gestantes e pessoas com necessidades especiais. Os exercícios são elaborados para fortalecimento da musculatura visando à prevenção de quedas, equilíbrio, prevenção da osteoporose e outros. O professor monta um programa personalizado, que ainda inclui atividades coletivas voltadas à socialização, indicadas para a terceira idade.


SALA MASTER

Uma das unidades da Bodytech em Copacabana, na Rua Nossa Senhora de Copacabana 801, conta com a Sala Master, onde só entram alunos a partir de 65 anos de idade. “Oferecemos diferentes exercícios funcionais que ajudam a fortalecer a musculatura, dão equilíbrio, coordenação motora e consciência corporal”, afirma o professor Ramon Marques. 


*Colaborou a estagiária Marina Cardoso

Você pode gostar