Muralha de vidro cercará a Torre Eiffel contra terror

Obra orçada em R$ 65 milhões porá fim às grades improvisadas instaladas para a Eurocopa. Moradores temem ver o símbolo de Paris perder o charme

Por O Dia

Paris - A Torre Eiffel, símbolo de Paris, será cercada por um vidro à prova de balas com dois metros e meio de altura, informou a prefeitura da capital francesa. Assim, o monumento ficará protegido contra possíveis atentados terroristas. A barreira custará 20 milhões de euros (cerca de R$ 65 milhões) e será instalada ainda neste semestre.

Substituirá as cercas de metal que atualmente estão dispostas ao longo de 324 metros ao redor da torre e foram colocadas no ano passado para a Eurocopa. “A ameaça terrorista continua sendo grande em Paris, e os lugares mais vulneráveis, começando pela Torre Eiffel, devem ser objeto de medidas de segurança especiais”, disse o vice-prefeito Jean-François Martins. O perímetro de vidro impedirá que pessoas ou veículos atentem contra o lugar, visitado por seis milhões de pessoas anualmente.

Agentes de segurança patrulham os acessos à Torre um dia depois dos ataques de 13 de novembro de 2015Efe

Alguns vereadores citados pelo jornal ‘Le Parisien’ afirmaram temer que a parede de vidro transforme a torre numa “fortaleza”. O perímetro de segurança poderia dissuadir os turistas que quiserem simplesmente tirar uma foto sob o monumento, sem intenção de visitá-lo. Martins respondeu dizendo que os visitantes continuarão terão acesso à torre a pé, depois de passar por controles de segurança.

O vice-prefeito disse que o fato de eliminar as cercas antiestéticas que agora rodeiam a Torre Eiffel permitirá tanto aos visitantes quanto aos parisienses ter “uma vista melhor do monumento”. Segundo disse, uma equipe de arquitetos ajudará a desenhar a parede de modo a não interferir com o Sena, que bordeia a torre ao norte, nem com o Campo de Marte, que o faz ao sul.

A segurança foi reforçada nos pontos turísticos da França, nos sistemas de transporte e nos locais de culto depois de uma série de atentados jihadistas, que mataram cerca de 239 pessoas na França entre janeiro de 2015 e julho de 2016.

A capital francesa sofreu o mais letal deles. Em 13 de novembro, ataques simultâneos levaram terror ao Stade de France, a bares e à casa de shows Bataclan. 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência