Manifestação em greve contra Constituinte de Maduro deixa um morto

A vítima, identificada como Rafael Vergara, morreu 'durante uma ato' em Ejida, no estado de Mérida, confirmou o Ministério Público

Por O Dia

Caracas - Um homem de 30 anos morreu nesta quarta-feira em um protesto durante uma greve convocada pela oposição para obrigar o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, a suspender a eleição, no domingo, de sua Assembleia Constituinte, informou a Procuradoria.

Manifestantes anti-governo bloqueiam rua e usam escudos para se proteger da políciaAFP

A vítima, identificada como Rafael Vergara, morreu "durante uma manifestação" em Ejida, no estado de Mérida, confirmou o Ministério Público, sem detalhar a causa da morte e o possível responsável. 

O número de mortos em quatro meses de protestos em todo o país chega a 104, de acordo com o balanço do MP.  Foram registrados distúrbios nesta quarta em Caracas e em outras cidades do país, como Maracay, Maracaibo e San Cristóbal, que policiais e militares tentaram dispersar com bombas de gás lacrimogêneo.

Ruas foram bloqueadas em diversos municípios da capital venezuelanaAFP

Manifestantes fizeram barricadas de lixo e escombros em ruas e avenidas de várias zonas de Caracas, com confrontos sobretudo no leste da cidade, no primeiro dia das 48 horas de greve. 

A coalização opositora Mesa de la Unidad Democrática (MUD) também convocou uma grande marcha em Caracas nesta sexta-feira e um boicote contra a votação de domingo, quando serão eleitos os 545 constituintes. 

O governo de Maduro descarta a possibilidade de suspender as eleições, que ele afirma serem "o único caminho para a paz" em meio à grave crise política e econômica.  A oposição assegura que a Constituinte é uma "fraude" de Maduro para se manter no poder.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência