Israel: confrontos na Esplanada das Mesquitas deixam mais de 90 feridos

Fiéis entraram em confronto com forças de segurança nesta quinta

Por O Dia

Jerusalém - Pelo menos 96 pessoas ficaram feridas nesta quinta-feira em novos confrontos  na Esplanada das Mesquitas, em Jerusalém Otriental, entre palestinos e forças de segurança israelenses, quando milhares de muçulmanos chegavam para rezar após a suspensão das medidas especiais de segurança estabelecidas por Israel.

Homens da segurança jogaram gás-lacrimogênio para dispersar multidãoAFP

A Cruz Vermelha informou que dezenas pessoas foram atendidas perto do Portão dos Leões, um dos acesso à Esplanada, e outras dentro do próprio complexo, onde estão posicionados agentes das forças de segurança israelenses. Segundo o serviço de emergências, do total de feridos, quatro pessoas foram levados a um hospital. 

A polícia israelense informou que as pessoas concentradas nas imediações e dentro do recinto religioso começaram a lançar pedras contra os agentes, ferindo um deles, bem como no Muro das Lamentações, principal lugar de culto judeu, que se encontra aos pés da Esplanada.

"A polícia esvaziou a área para evitar feridos", acrescentou o porta-voz da Polícia, Micky Rosenfeld, que assegurou que a "situação ficou sob controle".

Os manifestantes içaram bandeiras palestinas no alto da mesquita de Al Aqsa, dentro da Esplanada – o que não é permitido –, e elas foram retiradas pela polícia, segundo a policial Luba Samri.

Depois que centenas de fiéis atenderam a um apelo das autoridades islâmicas para rezar no recinto, após 11 dias sem fazê-lo em protesto pela instalação das medidas especiais de segurança, dezenas exigiram a abertura de todas as entradas da Esplanada e ameaçaram não entrar quando viram fechado o acesso um dos acessos – o de Huta.

Neste acesso, muito próximo ao Portão dos Leões, estavam os polícias israelenses assassinados no ataque ocorrido no último dia 14 por três árabe-israelenses, o que motivou a instalação de medidas de segurança reforçada por parte de Israel, como detectores de metais.

A polícia informou que preparou reforços na área e nos acessos para manter a segurança e a ordem.

"A polícia responderá com rigor a qualquer tentativa de incomodar civis e agentes", advertiu a porta-voz.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência