Homem que 'salvou' mundo de possível guerra nuclear morre aos 77 anos

Stanislav Petrov interpretou corretamente erro de sistema que indicava um ataque americano e evitou um revide desnecessário que poderia causar sérias consequências

Por O Dia

Rússia - Um oficial soviético que, em plena Guerra Fria, se negou a acreditar no sistema de informática que anunciava um ataque de mísseis americanos contra a União Soviética, e que talvez tenha evitado um conflito nuclear, faleceu aos 77 anos. 

De acordo com o filho do herói, Stanislav Petrov morreu em 19 de maio em seu apartamento, na cidade de Friazino, 20 km ao nordeste de Moscou. A informação só foi divulgada recentemente. 

Stanislav petrov evitou possível guerra nuclear durante o período da Guerra FriaReprodução Youtube

Episódio

Durante a noite de 25 de setembro de 1983, Stanislav Petrov, na época um oficial em uma base de alerta estratégica ao sul de Moscou, teve poucos segundos para interpretar o sinal de alarme dos satélites de vigilância que anunciavam o ataque de cinco ou seis mísseis americanos contra União Soviética. 

Mas Petrov considerou que, no caso de um ataque americano, este envolveria uma centena de mísseis e não cinco ou seis. Ele deduziu que era um erro dos sistemas de alerta. Desta maneira, indicou aos superiores que se tratava de um falso alerta e não de um ataque iminente. 

Sua decisão talvez tenha permitido evitar uma resposta soviética e o início de um conflito nuclear mundial, em um momento de grande tensão entre Moscou e Washington. 

"Depois do incidente, ele permaneceu em sua unidade durante três dias. Voltou para casa completamente esgotado, mas não nos contou nada", recorda o filho, de 44 anos.

Mais tarde, especialistas soviéticos concluíram que o falso alerta se devia a uma interpretação equivocada do reflexo dos raios solares nas nuvens, que o sistema confundiu com a energia que os mísseis desprendem ao decolar.

Poucos meses depois do incidente, Stanislav recebeu uma condecoração por seus méritos prestados à Pátria nas Forças Armadas, sem nenhuma explicação, segundo Dmitri. 

Sigilo

O incidente, que permaneceu em sigilo por alguns anos, foi revelado apenas dois anos depois do fim da União Soviética, em 1991, pela revista Sovershenno Sekretno ("Top Secret"). 

"Quando a revista russa Kommersant Vlast voltou a mencionar a história em 1998, o Ocidente descobriu um herói", disse Dmitri. 

"Ele recebeu uma centena de cartas de agradecimento de todas as partes da Europa, mas nunca entendeu o motivo do alvoroço porque se limitou a fazer bem o seu trabalho", afirmou o filho. 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência