Porto Rico: uma década para se recuperar

País ainda contabiliza os danos do Furacão Maria: agora, no ecossistema da ilha

Por O Dia

Porto Rico - As abelhas zumbem desorientadas, procurando um pólen que não existe mais. As árvores estão desfolhadas e as montanhas, antes exuberantes, agora não são mais que galhos secos. O Furacão Maria não só destruiu a infraestrutura de Porto Rico: também devastou as florestas, que podem demorar mais de dez anos para se recuperar.

Os especialistas asseguram que o caminho para a recuperação pode ser longo, mas tudo isso é parte de um processo natural.

Furacão Maria dizimou florestas%2C como a El Yunque%2C afetando toda a fauna da ilha%2C alertam cientistasAFP

"Há muita mortalidade, mas eventualmente se restaurará a ordem", disse Ariel Lugo, ecologista e diretor do Instituto Internacional de Dasonomia Tropical do Serviço Florestal Federal em Porto Rico.

"Passarão dez anos até que tudo aparente fique bem", comentou. A maioria das árvores que ficaram em pé está decapitada ou desfolhadas. Algumas já começam a rebrotar, apenas duas semanas após a passagem de Maria.

No entanto, o furacão desequilibrou todo o ecossistema da ilha. Para aves, insetos e outros organismos que dependem de folhas e flores, é um cataclismo. Não encontram alimentos nem lugares para se esconder e estão desorientados.

O equilíbrio deveria ser restabelecido em breve, segundo Lugo. "Nos próximos meses se verá um aumento rápido no crescimento de plantas e produção de folhas novas, com o qual muitos insetos vão reaparecer e assim a floresta começará a se reorganizar pouco a pouco".

De acordo com Jeff Schlegelmilch, vice-diretor do Centro Nacional para Preparação de Desastres em Nova York, o ritmo varia segundo a espécie. "Algumas das árvores maiores demorarão décadas a voltar, enquanto a folhagem menor pode se recuperar em um ou dois anos".

Tempestade Nate já matou 26

A tempestade tropical Nate avançava nesta sexta ao longo da costa caribenha de Honduras em direção ao México e aos Estados Unidos, após devastar os países centro-americanos, onde deixou 26 mortos.

Danos causados pela tempestade NateAFP

El Salvador registrou suas primeiras duas mortes, uma delas soterrada em um deslizamento e outra arrastada por um rio. O país declarou alerta amarelo, enquanto a Guatemala declarou alerta máximo em departamentos do sul e do nordeste.

Costa Rica, Nicarágua e Honduras, os países mais atingidos por Nate começavam a contabilizar os danos, enquanto as chuvas pareciam dar uma trégua.

 

Últimas de _legado_Mundo e Ciência