Por parroyo

Investigado no Brasil por suspeita de ser uma pirâmide financeira, o Telexfree contratou um advogado com experiência em casos desse tipo, Gerald P. Nehra, para revisar o modelo de negócios da empresa nos Estados Unidos.

A Telexfree é apresentada como um sistema de venda de pacotes VoIP (voz sobre IP) por meio de distribuidores independentes, que são remunerados por divulgar e vender o produto, e também por atrair mais gente para a rede. Para o Ministério da Fazenda brasileiro, há indícios de que se trate de um esquema de pirâmide em que os ganhos vêm do ingresso de mais divulgadores no sistema.

No Brasil, o negócio é operado pela Ympactus Comercial LTDA, do Espírito Santo. Nos EUA, a operação está nas mãos da Telexfree Inc, fundada em 2002 por Carlos Wanzeler e James Merril, que são apontados, pelo diretor de marketing da empresa, Carlos Costa, como os proprietários da Ympactus. Ele nega irregularidades.Nehra atuou em pelo menos dois casos de pirâmide nos EUA. No mais recente, do Ad Surf Daily, ele prestou um testemunho juramentado afirmando que o modelo de negócios "não é esquema Ponzi [um tipo de pirâmide]". Em 2010, o criador do Ad Surf Daily, Andy Bowdoin, foi condenado à prisão acusado pelo governo local de ter levantado US$ 110 milhões por meio do esquema.

Nos anos 1990, Nehra representou, junto à Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (a SEC, na sigla em inglês), o pastor Charels R. Groeschel, acusado pela agência reguladora de liderar um esquema de pirâmide religiosa.

Especialista em marketing multinível

Ex-diretor legal da Amway, Nehra é um dos sócios do escritório americano MLM, especializado em marketing multinível – um sistema de venda direta em que o representante cria redes de contatos para comercializar um determinado tipo de produto. Esse é o modelo que a Telexfree alega utilizar para vender os pacotes VoIP.

Nehra diz que seu escritório foi contratado pela Telexfree há cerca de três meses para “revisar o modelo de negócios” da empresa nos EUA que, segundo ele, não é uma pirâmide. O advogado ressalva, porém, desconhecer a atuação no Brasil.“Eu não sei nada sobre do modelo de negócios da Telexfree no Brasil. Eu não falo português, eu não leio português e não dei nenhuma opinião para eles sobre o modelo de negócios no Brasil”, diz Nehra. “O modelo nos Estados unidos não é um modelo Ponzi”

Sobre o caso Ad Surf Daily, Nehra afirma ter sido contratado 48 horas antes de a empresa ter problemas, e coloca a culpa nos representantes.

“É preciso ter na cabeça que o que uma companhia diz e o que é revisado por um advogado não é sempre a mesma coisa que os distribuidores fazem. No Ad Surf Daily, [os distribuidores] não estavam implementando o programa como foi desenhado, e sim de uma maneira que infringia as leis.”, diz.

Você pode gostar