Por marta.valim

Após ensaiar seus primeiros passos no Brasil em 2013, o site americano de comércio eletrônico eBay está colocando o país definitivamente em sua rota de crescimento. O marco dessa estratégia é o lançamento da versão em português do portal. Ao mesmo tempo, desde a semana passada, o consumidor brasileiro tem acesso ao aplicativo local da plataforma, disponível para iPad, iPhone e dispositivos baseados no Android, sistema operacional móvel do Google. Nas duas frentes, o site oferece grande parte das ofertas traduzidas e a possibilidade de efetuar as compras em moeda brasileira.

A primeira incursão do eBay no Brasil aconteceu há cerca de sete meses, com o lançamento de um aplicativo de moda para celulares e tablets. O movimento, na época, foi uma extensão da estratégia iniciada dezoito meses antes pela empresa, para fortalecer sua presença em mercados emergentes, especialmente nos BRICs. Após consolidar sua atuação na Rússia, o Brasil é o novo foco desses esforços. “Decidimos começar pela Rússia pelo fato de o mercado lá ser menos consolidado. As dez principais empresas de comércio eletrônico respondem por apenas 20% do mercado russo. No Brasil, o setor é muito mais competitivo. Aqui, as dez principais companhias dominam 80% do mercado e, ao mesmo tempo, a oferta de marcas locais é muito maior do que na Rússia”, diz Wendy Jones, diretora de expansão internacional do eBay.

Batizado de eBay Moda, o primeiro aplicativo da empresa no Brasil superou a marca de 100 mil downloads nos três primeiros meses e foi a base para que o eBay começasse a entender as particularidades do mercado local, bem como as preferências do consumidor. Segundo a companhia, os itens de moda e os produtos eletrônicos — nessa ordem — lideram as listas de desejo dos brasileiros. “A grande diferença do Brasil para outros mercados emergentes é o fato de que a expectativa do consumidor no país é substancialmente mais alta do que em qualquer outro mercado emergente. Essa expectativa está em linha com o que vemos nos Estados Unidos ou no Reino Unido”, diz Wendy.

Com uma oferta local baseada inicialmente em produtos importados de diversas categorias, o eBay identificou a confiabilidade na entrega e a transparência dos custos como uns dos principais fatores relevantes para o consumidor brasileiro. Nessa direção, o site acaba de incluir o país em sua Global Shipping Platform, serviço lançado globalmente há pouco mais de um ano, pelo qual o eBay auxilia as marcas parceiras internacionais em questões como transporte e encargos de exportação. Ao mesmo tempo, é possível rastrear, em tempo real, a localização do produto. “O consumidor recebe o item com maior rapidez e confiabilidade. Essa é a primeira melhora que estamos trazendo em termos de logística, que é um grande desafio no Brasil”, explica Wendy.

As sinergias com a operação brasileira do PayPal — empresa de pagamento eletrônico do eBay — são mais um ponto da estratégia. Sob esse desenho, uma das novidades anunciadas é a possibilidade de o consumidor efetuar o pagamento dos produtos via boleto e cartão de crédito nacional. “Isso abre um grande potencial, pois agora 100% dos consumidores brasileiros podem comprar pelo eBay”, diz Mario Mello, diretor-geral do PayPal para a América Latina. O executivo também destacou a atuação conjunta das duas operações no país. Presente no Brasil desde 2011, o PayPal tem hoje uma equipe local de 150 profissionais. Como parte desse esforço, as duas marcas lançam ainda nesse mês uma campanha integrada de marketing em mídias on-line.

Com base nas preferências locais, as promoções voltadas exclusivamente para o consumidor são outro elo da estratégia. Como um reforço a essas ações, o eBay está trazendo para o Brasil a “Deals Frenzy”, série periódica de ofertas dos itens mais populares no portal, com descontos mais agressivos.

A melhoria da experiência dos usuários na navegação e na realização das compras via dispositivos móveis é mais um foco. Segundo Wendy, o índice de transações móveis realizadas pela plataforma no Brasil já está bem acima da média local. De acordo com o estudo Webshoppers, da e-Bit, 4,8% do total de transações do comércio eletrônico brasileiro em 2013 foram feitas por smartphones e tablets.

Você pode gostar