Por parroyo

A Petrobras apresentou queda de 30% no lucro líquido do primeiro trimestre deste ano, de R$ 5,393 bilhões. Apesar do recuo, o número veio acima da projeção média dos analistas, que era de R$ 3,8 bilhões. O resultado recebeu impacto negativo de provisões de R$ 1,6 bilhão para a do programa de demissões voluntárias e de R$ 3,2 bilhões para pagamento futuro de juros de capital próprio. Na comparação com o quarto trimestre de 2013, o lucro líquido da estatal ficou 14% menor.

A produção total de óleo e gás nos primeiros três meses do ano foi de 2,531 milhões de barris de óleo equivalente por dia, uma leve queda de 0,1% em relação a igual período de 2013 devido à desmobilização de um dos poços de Campo de Roncador e à parada da plataforma P-20. A companhia manteve a meta de crescimento de 7,5% da produção em 2014, que deve refletir o início da operação de dois novos campos e a maior eficiência operacional.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação) ajustado caiu 12% na comparação para R$ 14,349 bilhões e a alavancagem da estatal permaneceu em 39%. A receita de vendas teve alta de 12% frente o mesmo período do ano passado, para R$ 81,545 bilhões.

No primeiro trimestre, o lucro operacional da estatal foi de R$ 7,6 bilhões, 8% superior ao realizado no 4º trimestre de 2013. O aumento é explicado pelos maiores preços de derivados em razão dos aumentos de diesel e gasolina ocorridos em novembro de 2013 e ainda pela menor participação de derivados importados nas vendas ao mercado interno.

O valor de mercado da Petrobras corresponde a R$ 199,739 bilhões, o que representou uma redução de 12% na comparação com o primeiro trimestre do ano passado. 


Você pode gostar