Recall da GM custará US$ 700 milhões e já atinge 20 milhões

Em maio, a empresa concordou em pagar uma multa de US$ 35 milhões como parte da investigação do Departamento de Transporte dos EUA sobre o modo que lidou com o recall de fevereiro

Por O Dia

A General Motors Co. está realizando o recall de mais 3,36 milhões de veículos, o mais recente pedido relacionado a falhas de ignição, e disse que os custos do segundo trimestre para essa decisão chegarão a US$ 700 milhões.

Por questões de parada repentina do motor, a maior montadora dos EUA disse que está realizando o recall de sete modelos: Buick Lacrosse de 2005-2009; Chevrolet Impala de 2006-2014; Cadillac Deville de 2000–2005; Cadillac DTS de 2004–2011; Buick Lucerne de 2006–2011; Buick Regal LS e GS de 2004–2005, e Chevy Monte Carlo de 2006–2008.

A chave de ignição pode, inadvertidamente, sair da posição de funcionamento caso esteja carregando peso extra e seja sacudida, disse num comunicado a empresa com sede em Detroit. A GM disse que tem conhecimento de oito acidentes relacionados e seis feridos.

A CEO Mary Barra está se preparando para testemunhar novamente perante o Congresso, nesta semana, para lidar com questões não resolvidas sobre por que a GM esperou anos para iniciar, em fevereiro, o recall de 2,59 milhões de carros com ignições que poderiam sair da posição de funcionamento, desativando assim os airbags. Os novos recalls, junto com o da semana passada, para consertar o design da chave do Chevrolet Camaro, indicam uma mudança no pensamento na GM, disse Karl Brauer, analista sênior da Kelley Blue Book.

“Certa quantidade de pessoas na GM sabia da existência dessa questão e supunha que era um incômodo, que não era uma sentença de morte, apenas um transtorno”, disse Brauer em entrevista por telefone. “Uma parada repentina do motor agora é vista como um risco inegável e absoluto à segurança e não mais como um transtorno ou inconveniente – isso foi o que mudou”.

O recall de ontem inclui 3,16 milhões de veículos nos EUA. A GM fez o recall de 20 milhões de veículos na América do Norte para consertos diversos neste ano, mais que o dobro da quantidade de carros e caminhões que vendeu em todo o mundo no ano passado. Em comparação, estima-se que os americanos comprarão 16,1 milhões de novos carros e caminhões em todo o setor neste ano, de acordo com a média das estimativas dos analistas compiladas pela Bloomberg.

Um recall do dia 13 de junho, de mais de 500.000 carros, cobriu o icônico muscle car Chevy Camaro devido à preocupação de que um golpe do joelho do motorista poderia tirar a ignição do modo de funcionamento.

No mais recente recall, a GM substituirá as chaves dos carros para evitar a possibilidade de que “um evento de estremecimento, como bater num buraco” possa provocar a parada repentina do motor, de acordo com uma declaração. A GM adicionará uma fenda ou emitirá uma chave nova para lidar melhor com o peso extra. A GM está prevenindo os proprietários de veículos para que dirijam apenas com a chave de ignição no interruptor até que os consertos sejam realizados.

Multa governamental

Anton Valukas, o advogado da Jenner Block que conduziu a revisão interna, estará com Barra na audiência do dia 18 de junho ante o Comitê de Energia e Comércio da Câmera dos Representantes dos EUA. De acordo com uma declaração do comitê, os advogados questionarão por que a GM aceitou inicialmente uma chave de ignição que não atendia a suas especificações e por que tantos funcionários não consideravam que a parada repentina do motor fosse uma questão de segurança.

Em abril, Barra prestou depoimento perante duas comissões do Congresso para explicar por que a empresa demorou anos para tornar público o defeito das chaves de ignição. Desde estão, a GM pediu que proprietários de milhões de outros veículos levassem seus carros às concessionárias para consertar cabos de transmissão, cintos de segurança e outras peças.

Embora Barra tenha sido isentada de culpa na investigação da própria empresa, ela demitiu 15 funcionários pelo papel que cumpriram no episódio.

No mês passado, a empresa concordou em pagar uma multa de US$ 35 milhões como parte da investigação do Departamento de Transporte dos EUA sobre o modo em que a GM lidou com o recall de fevereiro. A companhia também adicionou aproximadamente 35 investigadores, demonstrando boa vontade para retirar os veículos de circulação por motivos diversos.

Antes do recall de ontem, a GM tinha realizado o recall de 14.401.773 veículos nos EUA neste ano e de 16.488.514 na América do Norte.

O total do recall da GM supera a marca de 10,7 milhões de veículos estipulada pela montadora em 2004, de acordo com a Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário dos Estados Unidos.

Últimas de _legado_Notícia