Telefónica vende bônus da Telecom Italia e pacto da Telco se desenrola

Companhia negocia € 103 milhões de euros (US$ 140 milhões) de bônus que podem ser trocados por ações da Telecom Italia SpA

Por O Dia

A Telefónica SA vendeu € 103 milhões (US$ 140 milhões) de bônus que podem ser trocados por ações da Telecom Italia SpA na mesma semana em que um acordo com investidores na maior empresa de telefonia da Itália começou a se resolver.

A Telefónica negociou os títulos por € 139,6 milhões, o que representa um ganho de 36% desde que os adquiriu, sete meses atrás, segundo Miguel Ángel Garzón, porta-voz da operadora com sede em Madri. Os bônus, que podem ser convertidos em ações da Telecom Italia em 2016, são parte de uma venda de € 1,3 bilhão no ano passado para restaurar as finanças da operadora na gestão do CEO Marco Patuano.

Desfazer-se dos títulos significa ressaltar um dilema para a Telefónica depois que três sócios financeiros começaram a retirar-se do grupo que possui 22,4% da Telecom Italia. A Telefónica, principal investidora da Telco SpA, provavelmente não será capaz de aumentar sua participação na Telecom Italia sem vencer a oposição dos órgãos reguladores no Brasil, onde as duas operadoras competem. Sair da Telecom seria admitir que uma aliança estratégica formada sete anos atrás não funcionou.

“O movimento da Telefónica poderia ser considerado um primeiro sinal de que eles podem vender a participação na Telecom Italia e eventualmente sair da empresa italiana”, disse Angelo Drusiani, que ajuda a gerenciar cerca de € 3 bilhões em títulos da Banca Albertini Syz C. em Milão. Outro possível motivo é que a Telefónica possa estar preocupada a respeito de uma possível queda nos preços dos títulos caso os rendimentos dos bônus aumentem nos próximos meses, disse ele.

Vendas de ativos

“A venda foi uma decisão puramente financeira”, disse Garzón por telefone.

A venda foi concluída em 16 de junho com a ajuda do JPMorgan Chase Co., disse uma fonte com conhecimento do assunto, pedindo para não ser identificada porque a transação não é pública.

Um porta-voz da Telecom Italia, com sede em Milão, preferiu não comentar a respeito da venda de bônus, assim como um representante do JPMorgan em Londres.

Patuano, que assumiu no lugar de Franco Bernabè como CEO da Telecom Italia em outubro, vendeu ativos como uma participação na Telecom Argentina SA para reanimar vendas em queda.

Conflito no Brasil

No Brasil, a Telecom Italia e a Telefónica continuam bloqueadas em um desacordo em relação ao futuro da unidade local da empresa italiana, a TIM Brasil. Embora Patuano seja a favor de manter a TIM e expandi-la por meio de uma eventual fusão com a unidade GVT, da Vivendi SA, a Telefónica e a Oi SA -- a operadora de telefonia celular número 4 do País -- estão estudando um plano para dividir a TIM ainda neste ano, disseram fontes com conhecimento do assunto no mês passado.

A Telecom Italia, privatizada pelo governo em 1997, teve sua dívida reduzida para junk pela Standard Poor’s e pela Moody’s Investors Service no ano passado e precisa de fundos para efetuar investimentos com a finalidade de reverter vendas em queda. Sua dívida líquida somou US$ 37 bilhões no fim de março.

Os contratos de swap de crédito de cinco anos da Telecom Italia subiram até 4,2 por cento hoje, para 162 pontos-base, sinalizando uma deterioração das percepções de qualidade de crédito.

Os swaps de crédito pagam o valor de face do comprador em troca de títulos subjacentes ou do dinheiro equivalente se um devedor não aderir aos seus acordos de dívida. Um ponto-base em um contrato que protege 10 milhões de euros de dívidas de cinco anos é equivalente a 1.000 euros por ano.

Últimas de _legado_Notícia