Por marta.valim
Sundar Pichai, do Google: smartphones mais acessíveis para mercados emergentesSTEPHEN LAM / AFP

Uma das empresas que mais se destacaram na migração dos PCs para os dispositivos móveis, o Google prepara agora um novo e importante passo para largar na frente de uma tendência que promete ser uma das próximas grandes fronteiras do mercado de tecnologia: a computação para múltiplas telas, voltada a um amplo universo de dispositivos conectados à internet. Dos carros e Smart TVs aos dispositivos vestíveis, como os relógios e óculos inteligentes. Essa estratégia foi um dos destaques da abertura da Google I/O, conferência anual de desenvolvedores do Google, que está sendo realizada nesta semana em San Francisco. Depois de alcançar um amplo domínio em smartphones e tablets, por meio do Android, seu sistema operacional móvel, o Google apresentou uma série de novidades para ganhar mercado nesse novo mundo.

Uma das bases para esse movimento foi o anúncio de uma versão preliminar — batizada inicialmente de “L” e disponível desde ontem para desenvolvedores cadastrados — da nova geração do Android, sistema operacional móvel da companhia. Entre outras novidades, a versão atualizada do sistema traz recursos avançados de desempenho e ferramentas que facilitam o trabalho dos desenvolvedores para adaptar seus aplicativos para diferentes telas. “Este é um dos lançamentos mais abrangentes que já fizemos. A “L” não foca apenas os dispositivos móveis, mas sim, a experiência dos desenvolvedores e usuários em outras plataformas”, afirmou Sundar Pichai, vice-presidente sênior de Android, Chrome e Aplicativos do Google.

As novidades não ficaram restritas ao novo Android. O Google apresentou uma versão do sistema operacional para carros. Batizada de Android Auto, a plataforma traz ferramentas para que desenvolvedores criem aplicativos nessa frente, com recursos como mapas personalizados e integração entre os dispositivos e os painéis dos veículos. De acordo com a companhia, até o fim do ano, montadoras como Ford, Volkswagen, Honda e Fiat lançarão seus primeiros modelos com o sistema embarcado.

O evento também marcou o lançamento de dois relógios inteligentes equipados com o Android. Os modelos anunciados são o G Watch, da LG, e o Gear Live, da Samsung. Os dispositivos estão disponíveis para a venda desde ontem no mercado americano. O Google apresentou ainda a Android TV, plataforma que permite ao usuário navegar por filmes e programas de TV e buscar mais informações sobre esses conteúdos.

Os esforços anunciados pelo Google marcam claramente a intenção da gigante americana em estender o seu domínio atual nos sistemas operacionais para dispositivos móveis a esse novo mundo. Ao antecipar as estratégias para um mercado que ainda tem um bom caminho para ganhar escala, a empresa também faz frente à Apple, sua principal rival no segmento móvel, que também está investindo nessa seara.

Para Leonardo Munin, analista da área de consumo da consultoria IDC no Brasil, apesar de ainda muito recente, a expansão das telas e dos dispositivos conectados à internet é uma tendência que promete ganhar corpo — literalmente, em alguns casos — nos próximos anos. “Dos carros às TVs, celulares e geladeiras. Tudo será integrado. O Google tem boas perspectivas nesse novo mundo, pelo fato de o Android ser um sistema aberto e de possuir uma ampla base de desenvolvedores e usuários”, afirmou.

Segundo dados da consultoria Gartner, o Android fechou 2013 com uma participação global de 78,4% no plano de sistemas operacionais para smartphones. A Apple, por sua vez, encerrou o ano com 15,6% de participação.

Na avaliação de Munin, no entanto, a Apple também apresenta boas perspectivas nesse mercado. “A Apple trabalha muito no segmento Premium e, dessa forma, pode atrair marcas e empresas que atuam nesse mesmo filão. Nada impede, por exemplo, que ela feche uma parceria com uma BMW, para a oferta de um sistema operacional nos carros da montadora”, disse.

A mesma abordagem, disse ele, também já vem sendo seguida pelo Google e será uma tônica das empresas que investirem nesses novos mercados. “O Google já mantém uma parceria com a Oakley, justamente por reconhecer que o Google Glass — seu óculos inteligente — tem desafios de design. Com certeza, veremos muitos acordos nesse sentido daqui para frente”, observou.

Se as estratégias para outras telas foram destaque, o Google também aproveitou a conferência para apresentar uma nova iniciativa para ampliar sua presença nos smartphones. A empresa anunciou a Android One, ação pela qual irá desenvolver smartphones com preços mais acessíveis. Os primeiros modelos serão lançados na Índia, por meio de parcerias com as fabricantes Micromax, Karbonn e Spice. Um dos modelos apresentados custa menos de US$ 100. “Acabamos de alcançar 1 bilhão de usuários ativos do Android”, disse Sundar Pichai. “Nosso objetivo é alcançar as 5 bilhões de pessoas no mundo que ainda não possuem smartphones. E grande parte desse crescimento virá dos mercados emergentes”, afirmou.

Com agências

Você pode gostar