Televisa ganha impulso na Copa do Mundo com publicidades e assinantes

O lucro operacional da empresa subiu 2,1% em relação ao ano anterior, para US$ 585 milhões

Por douglas.nunes

O Grupo Televisa SAB ganhou um impulso com a Copa do Mundo no segundo trimestre depois que os fãs de esporte atraíram um maior investimento com publicidade e clamaram por assinaturas do serviço por satélite.

O lucro operacional da empresa subiu 2,1% em relação ao ano anterior, para US$ 585 milhões, deixando de fora depreciação, amortização e outras despesas, segundo um comunicado divulgado ontem pela maior emissora de língua espanhola do mundo. 

A Televisa, que tinha os direitos para todas as 64 partidas da Copa do Mundo por meio de sua unidade de sinal por satélite Sky, está confiando no conteúdo exclusivo para atrair espectadores e anunciantes. O crescimento ajuda a compensar a receita que a Televisa foi forçada a deixar de lado no ano passado, quando novas regulações exigiram que a companhia oferecesse gratuitamente seus dois canais mais populares para outras empresas de cabo e satélite.

Embora o efeito Copa do Mundo tenha ajudado a Televisa, o torneio é apenas temporário. O crescimento da base de assinantes da Sky deverá ser mais suave no futuro, disseram executivos da empresa, hoje, em uma teleconferência.

A base de usuários do sinal de satélite aumentou em 203.262 clientes no segundo trimestre, contra a média de 140 mil proveniente das estimativas de três analistas compiladas pela Bloomberg. A companhia encerrou o trimestre com 6,4 milhões de clientes no sinal de satélite, um aumento de 13% em relação a um ano antes, contra uma taxa de crescimento de 14% no primeiro trimestre.

Projeto para telecomunicações

As conexões a cabo -- internet, vídeo e telefone -- totalizaram 5,4 milhões, um incremento de 190 mil em relação ao trimestre anterior, contra 150 mil da média estimada. O número de clientes do serviço de vídeo aumentou 6,9% em relação ao ano anterior, oscilação maior que a de 6,5% do primeiro trimestre.

No último fim de semana o Senado do México aprovou medidas que forçam a emissora a tornar públicas também suas taxas de publicidade e que as mantenha, independentemente de quem for o cliente. O projeto foi enviado para a Câmara dos Deputados para aprovação.

“Embora existam fatores que beneficiem as operações da Televisa em 2014, como o dinamismo da Sky e da Cablevisión, a implementação dessa obrigação de sustentação e de oferta e uma regulação mais rígida podem limitar o crescimento da empresa”, disse Valeria Romo, analista do Banco Monex SA, em um relatório enviado hoje por e-mail.

Fusões na telefonia?

A Iusacell, terceira maior operadora de telefonia celular do México, tem tido dificuldades para concorrer com a América Móvil SAB, do bilionário Carlos Slim, que controla 70% do mercado. A Televisa está interessada em fusões no setor de telefonia celular para competir melhor, embora esteja esperando o resultado do projeto de lei das telecomunicações para fazer planos de investimento, disseram executivos na teleconferência de hoje. A Iusacell é uma copropriedade da Televisa e do bilionário Ricardo Salinas.

As vendas de anúncios saltaram 6%, para 6,26 bilhões de pesos, porque as empresas investiram mais em anúncios para a Copa do Mundo. O torneio também ampliou os custos da Televisa, com a margem de lucro da unidade de conteúdo caindo 3,3 pontos porcentuais, para 46%. A Copa do Mundo normalmente se estende do fim do segundo trimestre até o início do terceiro. A seleção do México saiu de cena exatamente no fim do segundo trimestre, com uma derrota para a Holanda, em 29 de junho.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia