Por parroyo
O governo federal busca maneiras de evitar que os desdobramentos da operação Lava Jato paralisem obras da Petrobras, uma vez que muitas companhias investigadas pela Polícia Federal ainda têm contratos com a estatal, disse nesta sexta-feira o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga.
Em entrevista a jornalistas, no Rio de Janeiro, ele afirmou que um dos desafios importantes no momento é "encontrar regra de transição jurídica" para que a petroleira não seja prejudicada.
Publicidade
Ele disse que se as obras atuais forem interrompidas por conta das investigações, a curva de produção projetada para a companhia não será alcançada.
O ministro disse não ver razão ou indício para afastar presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, ou qualquer outro membro da diretoria, por conta do escândalo de corrupção, que teria envolvido também propina a políticos.
Publicidade
Em relação ao setor elétrico, Braga admitiu que o Brasil está entrando em 2015 com menos água nos reservatórios das hidrelétricas e que o regime de chuvas está semelhante ao de 2014, no Sudeste e no Centro-Oeste.
No entanto, o ministro afastou a possibilidade de um racionamento de energia elétrica.
Publicidade
Segundo ele, o sistema elétrico brasileiro está suficientemente robusto e tem novas fontes de energia da base térmica e de outras fontes, que não hidrelétrica, que permitem dizer que o país não terá racionamento neste ano.