Por douglas.nunes

Deixando a crise econômica de lado, o Hotel Urbano planeja continuar crescendo agressivamente em 2015. A meta é ousada e aponta uma expansão na casa dos 58%, impulsionada por projetos como o início das vendas por agentes de viagens, com uma plataforma exclusiva; e parcerias com grandes players, como o Rock in Rio. A empresa fechou 2014 com 18 milhões de usuários cadastrados no seu site e com a venda 3,9 milhões de diárias. No entanto, a companhia não abre seus dados de faturamento.

“A venda para os agentes significa a abertura de mais um canal de distribuição e de venda para nossos pacotes. Apesar de sabermos que eles já eram nossos clientes, pela agressividade dos nossos preços e nossa capacidade de negociação com a rede hoteleira. Mas agora criamos um canal pensado especialmente para eles”, explicou o cofundador e CEO do Hotel Urbano, José Eduardo Mendes.

A previsão da companhia é de chegar a 5 mil agentes credenciados e vendas de R$ 100 milhões apenas por meio deste canal ainda em 2015. A comissão para os interessados é de até 15%, acima da média praticada no setor.

Já a parceria com o Rock in Rio, fechada no final do ano passado, explica ele, faz parte da estratégia de branding da companhia, além de estar dentro de um dos objetivos do Hotel Urbano, que é a democratização o turismo no Brasil. A empresa tem a exclusividade da venda de pacotes para o festival deste ano.

Mendes promete ainda novos parceiros em breve. “Esses contratos são voltados para sinergias de receita. Temos ainda um acordo com a Priceline, dona da Booking.com, e estamos usando a plataforma de aluguel de carros deles”, contou Mendes.

Com um crescimento acelerado nos últimos anos, um dos próximos passos da empresa pode ser a abertura de capital, disse o CEO. “Não é um objetivo de curto prazo, pois acreditamos que ainda temos muito espaço para crescer”. No entanto, ponderou, o IPO seria um dos pilares importantes para impulsionar a internacionalização do Hotel Urbano, já em construção. “Só vamos para outros países quando soubermos exatamente qual o melhor caminho”, ressaltou Mendes. Hoje, os fundadores possuem o controle da companhia, com a ajuda de sócios-investidores: os fundos Tiger Global Management e Insight Ventures Partners, e Kevin Efrusy, investidor da Califórnia (EUA).

Reformulação antecipada do modelo de negócios

Ao contrário do que aconteceu com empresas de compras coletivas, como Peixe Urbano e Groupon, que passaram por uma reestruturação recente em seus modelos de negócio, o Hotel Urbano reviu seu formato já no seu terceiro mês de vida. A empresa está no quinto ano de operação.

“Na verdade, nunca focamos nas compras coletivas (...) Posso dizer que hoje o nosso foco principal são os preços, e que temos uma grande capacidade de negociação com a rede hoteleira”, ressaltou o executivo. A plataforma vende também pacotes de agências de viagens parceiras.

“A nossa diferença em relação aos concorrentes é que geramos demanda. Criamos demandas por viagens, coisa que nenhum outro player fazia antes, inclusive para destinos que antes não tinham procura. Temos ainda a vantagem de ir atrás do cliente. Não esperamos que venham até nós, como acontece nas lojas físicas. Com isso, enquanto o mercado cresce entre 3% e 4% ao ano, nós estamos acima dos 50%”, finalizou ele.

Você pode gostar