Santander oferta R$ 15 bi em recursos a PMEs

Banco espanhol lança plataforma para micro, pequenas e médias empresas com produtos, serviços, cursos e assessoria online. O presidente da instituição no Brasil, Jesús Zabalza, admite interesse em adquirir HSBC no país

Por O Dia

São Paulo - O Banco Santander Brasil anunciou ontem o lançamento da sua nova plataforma dedicada a micro, pequenas e médias empresas. Batizada de Santander Negócios & Empresas, a plataforma segue o modelo adotado na Espanha e em outros países como o nome de Advance. Segundo o presidente da instituição no país,Jesús Zabalza, as PMEs terão mais R$ 15 bilhões de recursos disponíveis para emprestar - em março último, a carteira do banco para esses clientes somava R$ 38,5 bilhões. depois de crescer 7%.

Zabalza espera que os recursos sejam emprestados dentro de 9 a 12 meses, dependendo da demanda. E afirmou que o banco pode disponibilizar mais quando o montante for todo contratado. O banco diz estar confiante no país e que a inadimplência do segmento está em queda. Sem especificar o índice das PMEs, lembrou apenas que está em 2% no segmento de empresas como um todo.

O lançamento havia sido antecipado por Brasil Econômico em 3 de julho do ano passado. Na época,o presidente mundial do banco Javier Marín disse, na sede da instituição, na Espanha, que lançaria nos próximos meses um pacote de serviços e produtos específico para pequenas e médias empresas no Brasil.

A plataforma oferece ainda outros produtos e serviços para as PMEs, como um cartão que será lançado já no mês que vem. Zabalza também prometeu mais agilidade na concessão dos empréstimos e na abertura de novas contas, além de taxas mais baixas de acordo com o nível de relacionamento do cliente com o banco. O Santander atende hoje 700 mil PMEs no país. A ideia é aumentar essa participação, mas o executivo não revelou qual a meta. Os custos dos empréstimos não foram alterados e podem variar de acordo com o nível de relacionamento do cliente com o banco.

A plataforma, a exemplo do que existe já em outros países, também oferece recursos como cursos online e assessoria na abertura de novos mercados, inclusive no exterior. Essa assessoria foi batizada de Programa Avançar, pilar não financeiro da plataforma, que prevê, ainda, a capacitação de empresários e funcionários, e acesso a uma rede global de networking.

“Revisamos processos internos, otimizamos a abertura de contas, bem como a contratação de nossos produtos e serviços financeiros. Isso permitirá que o cliente se relacione com o banco de forma mais simples e ágil”, explica Conrado Engel, vice-presidente executivo sênior de varejo do Santander.

“Crescemos quando nossos clientes crescem”, diz Ede Viani, diretor responsável pelo Santander Negócios & Empresas. Segundo ele, a implantação da plataforma resultou em um crescimento de 15% nos negócios do banco com as PMEs.

Em relação ao HSBC, Zabalza admitiu interesse. “Nosso objetivo é crescer no Brasil, de preferência organicamente, mas temos obrigação de analisar todas as oportunidades. Estamos capitalizados, nossas ações subiram 40% desde novembro do ano passado”. Para Zabalza, o preço do HSBC — estimado no mercado em US$ 4 bilhões — é “assumível”.

Últimas de _legado_Notícia