Por monica.lima
Publicado 04/11/2014 10:48 | Atualizado 04/11/2014 10:51

As microempresas do setor de design no estado do Rio mais que duplicaram nos últimos oito anos, passando de 44 em 2006 para 91 até o momento. A concentração é maior no município do Rio, onde há 66 dessas empresas funcionando, afirma Dulce Angela Procópio, subsecretária de Comércio e Serviços da secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico.

O Rio vem ampliando sua presença neste mercado, afirma Dulce Angela, diante da necessidade de se aliar design à melhoria de competitividade e aumento da produtividade. Um movimento que tem feito parte cada vez mais do plano de negócios das micro e pequenas empresas, que contratam designers para deixar seu produto mais atraente.

De acordo com informações da Junta Comercial do estado do Rio (Jucerja), de 2007 até outubro de 2014, foram abertas 691 empresas do setor de design, entre micro e pequenas e médias. Ao todo, diz a subsecretária, 18 mil pessoas em todo o estado trabalham no segmento, que tem um salário inicial acima da média nacional e fica em torno de R$ 2.763.

“A visão de que o design é importante para todas as empresas, não importa o porte, vem se consolidando. Eu destaco as microempresas porque o salto foi realmente muito grande. O que é preciso é estimular cada vez mais a qualificação e a regularização tanto dos microempresários quanto de empresas de todos os portes neste setor”, comenta Dulce Angela.

Segundo ela, no caso das pequenas empresas que contratam os serviços de design para se diferenciar no mercado, muitas fazem parte de arranjos produtivos locais — empresas de um mesmo segmento, localizadas na mesma região e que atuam de forma conjunta em diferentes estágios da produção — caso de Nova Friburgo, que tem diferentes fabricantes de maçanetas.
“Estes arranjos produtivos contratam empresas de design de pequeno ou de médio porte, que criam modelos para que elas possam produzir. Muitas conseguem com isso exportar, aumentar as vendas internas e reduzir custos a partir do uso de materiais tecnologicamente melhores”, explica Dulce Angela.

Os mais recentes trabalhos de design em diferentes setores, feitos por empresas fluminenses, estarão expostos na mostra Rio + Design que começa amanhã e vai até 9 domingo no Jockey Club do Rio, na Gávea. Serão 115 peças que terão como destaque o design aliado à inovação e tecnologia, muitas delas premiadas em concursos. Participam peças de decoração, para uso no cotidiano, móveis, joias, lembranças da cidade e tapetes, a novidade entre as obras participantes. São esperados 15 mil visitantes no evento. A curadoria da mostra foi feita pelo Conselho Consultivo de Design, que é presidido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

“O design fluminense está cada vez mais forte. E vem mostrando claramente que o estado do Rio já está absolutamente conectado à economia do século 21, que é a economia criativa. O Rio tinha a economia concentrada nos negócios do século 20, no petróleo. Mas agora vem se desenvolvendo com sucesso em outros setores”, comemora o secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Julio Bueno.

A mostra Rio + Design também acontece anualmente na capital italiana, simultaneamente ao Salão Internacional do Móvel de Milão, principal evento mundial do setor. A exposição aconteceu no primeiro semestre e contou com mais de 100 peças de cerca de 50 designers.

Você pode gostar