Por bianca.lobianco

Rio - Um francês que toca violino, com pegada nordestina e sotaque carioca. Este é o fenômeno Nicolas Krassik, considerado um dos maiores músicos ‘brasileiros’ da atualidade. No próximo sábado (dia 30) ele sobe ao palco do Teatro Municipal de Niterói para o lançamento do CD Nordeste de Paris, acompanhado do grupo Cordestinos. No repertório vai ter baião, xaxado, xote, galope e jazz, unindo técnica, criatividade e emoção.

No repertório vai ter baião%2C xaxado%2C xote%2C galope e jazz%2C unindo técnica e criatividadeDivulgação

“Tive a oportunidade de tocar algumas vezes em Niterói — uma a convite de Zé da Velha e do Silvério Pontes e outra quando participei do festival organizado pelo Arthur Maia, no próprio Municipal.Frequentei o Candongueiro, uma das melhores rodas de samba que conheci, e percebi que Niterói tinha um público grande e de qualidade, querendo escutar choro, samba e forró, sem precisar atravessar a Ponte para ir às casas da Lapa, no Rio”, disse.

O artista conta que recebe regularmente recados de moradores da cidade perguntando sobre shows. “Então... Chegou a hora! Estou muito feliz e honrado de tocar nesse teatro lindo”, agradece.

Como disse o cantor João Cavalcanti (Casuarina) no release de Nordeste de Paris (Superlativa/2014), “os sotaques, as escolhas, a erudição na técnica e o espírito popular na linguagem (e, eventualmente, vice-versa) constroem um ambiente com um aroma inédito”.

Este é o quinto álbum do violinista — segundo acompanhado dos Cordestinos Marcos Moletta (rabeca), Guto Wirtti (baixo), Carlos César e Chris Mourão (percussões) —, e confirma a fluência com que Nicolas costura e descostura as fronteiras musicais. A apresentação será às 20h. Ingressos: R$ 40 (inteira).

Você pode gostar