Por bianca.lobianco

Niterói - Quando descobri que existia uma aula de comida indiana no Lagareiro, achei que lá eu poderia aprender a fazer um tempero que é a mistura de várias especiarias, muito usado na culinária asiática. É que meu pai, que morou em Java — eu sei, não é na Índia, mas lá também usam esse tempero —, e fazia um Nasi Goreng, típico prato da Indonésia, do qual me lembro bem. Até hoje tento fazer, mas nunca fica igual sem o tal mix de temperos.

Assim conheci a chef indiana Swapna Nikam, que nos levou numa viagem culinária à Índia, começando com uma entrada chamada Upama, feita com semolina tostada bem temperada e misturada a ervilhas, cenoura, castanhas de caju e lentilhas indianas (de grão menor que as nossas).

A chefe indiana Swapna Nikam (primeira à direita) com os alunos na degustação do Upama%2C Frango Biryani e Sitaphal RubdiDivulgação

Como prato principal, a chef nos ensinou a fazer o Frango Biryani, uma receita servida em festividades. À nossa frente, Swapna escolhia as especiarias para a marinada do frango nos explicando a função terapêutica de cada um deles. Cardamomo, cominho, mostarda, cravo, entre outros, deveriam ser combinados cuidadosamente para garantir uma alimentação saudável. Mas eis que ela nos apresenta o garam masala — soube na hora que era ele o que eu buscava —, perguntei como fazia mas ela nada respondeu. Talvez, por um problema de comunicação, já que a chef ainda está aprendendo o português .

Enquanto nos ensinava as receitas, Swapna nos contou que a mulher indiana é iniciada na culinária aos 10 anos. Ela também me apresentou ao arroz basmati, com um grão bem fininho e comprido.

Os pedaços de frango, após o marinado, foram colocados na panela alternando em camadas o frango e o arroz. Para ter um cozimento uniforme, Swapna fez um massa de farinha e água que colocou em toda a borda da panela para que a tampa encaixasse de modo a ficar bem vedada.

Soube ainda que os indianos acreditam que cada pessoa tem um gosto, que passa para a comida através da manipulação dos alimentos. Assim, o sabor da comida vai sempre depender de quem cozinhou. Como sobremesa, fizemos um creme de pinha, leite e amêndoas, o Sitaphal Rubdi, de aroma e sabor convidativos.

É claro que pedi, algumas vezes, a receita do mix de temperos, mas sem sucesso. Para minha frustração, Swapna fez questão de guardar segredo e revelou que o tal garam masala terá uma aula só para ele. Fazer o quê?

Mas o jantar indiano foi por nós degustado com suspiros de comensais encantados com os sabores tão delicadamente harmonizados.

Belisquetes

Tour La Trappe

Vai ter harmonização e degustação de cervejas holandesas na Delicatella Gourmet, em São Francisco. Serão apresentados 8 rótulos da La Trappe, uma cervejaria trapista, isto é, produzida originariamente por monges da Ordem Trapista na província de North Brabant, Holanda. O curso será dado por Ricardo Vohs da importadora Bier & Wein. Ele vai contar a história da La trappe e harmonizar as cervejas com os pratos da casa. Vai ser amanhã, dia 15, às 20h. As vagas são limitadas e o evento custa R$120. É preciso reservar lugar pelo telefone 2610-5120.

Happy hour especial

A Deli Beef, em Pendotiba, tem vários cortes especiais e tipos diferentes de carne. E a casa faz um happy hour com degustação dos produtos que vende com cervejinhas variadas. Queijos, frios e sanduíches gourmet também fazem parte do cardápio. A Deli Beef fica na Estrada Caetano Monteiro 1.650, no Shopping Futura. O telefone é 2616-5868.

Apetite musical

Vai ter música instrumental, ao vivo, no Espaço Gourmet do Plaza Shopping, a partir das 19 horas, nas sextas, sábados e domingos. Vai dar para jantar nos restaurantes Gula Gula, Pea'hi, Galli, The Fifties e Balada Mix, todos no Piso 4, ouvindo um som bem bacana.

Para comer sem culpa

Abre, no dia 18, mais uma loja da franquia Ponto Natural, no Shopping Icaraí, à Rua Moreira César. A casa oferece alimentos a granel e tem linha de produtos funcionais, orgânicos, diet, light, zero glúten e zero lactose.

Coluna de Suzana Blass

Você pode gostar