Por bianca.lobianco
Músico toca toda segunda-feira no bar Mãe D'água%2C na CantareiraAlexandre Vieira / Agência O Dia

Niterói - Ele nunca perde o tempo, tem um olhar compenetrado, é o mestre dos efeitos de pratos. Este é o baterista André Brito, que toda segunda-feira se apresenta no bar Mãe D’Água, na Cantareira. Por lá, assim, meio que no boca a boca, o músico está vendendo o seu primeiro disco instrumental, o “Para ouvir e dançar!”.

O repertório, composto por 11 faixas de temas famosos do jazz, está sendo reproduzido por rádios do mundo inteiro, o que rendeu o prêmio de melhor disco de jazz pela rádio Sky Jazz, do Canadá. “O CD tem participação de grandes músicos de Niterói, São Gonçalo e do Rio. É um trabalho em homenagem a meu pai, Waldyr Brito, um grande músico das antigas”, conta.

Apesar de Niterói ter poucas casas de jazz (Velho Armazém e Bar Itália), Brito considera que o gosto pelo estilo musical tem aumentado.

“O gênero tem mais força no exterior, mas os brasileiros estão cada vez mais receptivos para esse velho estilo musical. Um exemplo é o festival de jazz e blues de Rio das Ostras, que todo ano leva milhares de pessoas”, diz.

Brito é professor no Conservatório de Música de Niterói e na escola Arte Musical em Piratininga. Ele também atua no samba. Está envolvido no projeto Sambrits, que resgata músicas de Carmem Miranda, Noel Rosa, Clara Nunes e Cartola. No Mãe D’água, o repertório é de MPB e sambas cantados, com participação dos músicos Igor Carvalho e Daniel Cahon. O show começa às 21h30 e o couvert custa R$ 5.

O CD de Brito pode ser comprado nas escolas em que o artista leciona, por R$ 15, ou baixado pela internet no link: https://soundcloud.com/user6701340.

Você pode gostar