Por marina.rocha
Lucas soube da campanha na escola (Ponto de Ensino) e não pensou duas vezes%3A cortou o cabelo para doarAlexandre Vieira / Agência O Dia

Niterói - Contagiado pelo clima do Outubro Rosa, o estudante Lucas Orlando, de 14 anos, resolveu usar a cabeleira para um bem maior. Ele raspou a cabeça e vai doar as madeixas para o ‘perucas online’, projeto da Fundação Laço Rosa que oferece perucas para mulheres com câncer.

Em três anos de existência, o projeto beneficiou mais de 700 pacientes de todo o Brasil. Levando em consideração que 20 centímetros é o comprimento mínimo de cabelo utilizado para a confecção de perucas, são cerca de 140 metros de fios, o equivalente a torre do Niterói Shopping, por exemplo.

Apesar da Fundação chamar atenção para a causa do câncer de mama, as perucas chegam para mulheres diagnosticadas com todos os tipos da doença. E a demanda é grande. Somente em 2014 cerca de 275 mil mulheres brasileiras descobriram que têm câncer. As perucas podem ser encontradas por R$ 250, mas uma de boa qualidade chega a custar R$ 2,5 mil.

No contexto, iniciativas como a de Lucas se tornam cada vez mais admirável. E a ação parece óbvia para o estudante. “Vi um cartaz sobre doação de cabelo na escola e resolvi participar. É uma forma de ajudar pessoas que precisam mais que eu”, afirma

A presidente da Laço Rosa, Marcelle Medeiros, destaca que Niterói é uma cidade que contribui muito para o projeto e se anima com a proporção que a fundação alcançou. Ela explica que o objetivo é sempre apoiar as pacientes e que a queda de cabelo é um choque para a maioria.

“É uma questão que afeta diretamente a autoestima das mulheres, fazendo com que muitas até abandonem o tratamento. Vendo isso, a gente elaborou um kit com lenços, peruca, bijouterias e uma cartilha explicativa. O retorno tem sido bem legal”, disse.

Uma iniciativa que fortalece o 'perucas online' é a campanha Fios Pro Bem, lançada pela rede de salões Espaço Juliana Paes. Funciona assim: todo cliente, voluntário ou não, que cortar acima de 20 centímetros do cabelo, receberá o corte gratuito.

A atriz abraçou a causa e foi a primeira a participar. “O objetivo desta campanha é ajudar no resgate da autoestima de mulheres que sofrem com as consequências do tratamento. Esses fios transformaram não só a vida de quem recebe, mas também de quem dará”, contou Juliana.

As irmãs Andrea Ferreira e Marcelle Medeiros são as responsáveis pelo banco de perucas da Laço RosaDivulgação

E os pacientes agradecem a solidariedade. Moradora de São Gonçalo, a aposentada Edineia Rodrigues Mello, de 57 anos, foi diagnosticada com câncer de mama há quase dois anos. Foi uma das fases mais difíceis de sua vida. Passou pela cirurgia e começou a quimioterapia, que é quando todos os pelos do corpo começam a cair. "É difícil pra mulher aceitar mais essa consequência. Dá agonia passar a mão pelo cabelo e ver aqueles tufos caindo. Quando você se vê careca, o jeito é recorrer aos acessórios", relatou.

Ela parou com a ‘quimio’ há quatro meses e espera mais dois para poder fazer a reconstituição da mama esquerda.

Você pode gostar