Celeiro de instrumentistas, cidade tem points para curtir jazz e choro

Nesta terça-feira tem show do Hamilton de Holanda de graça

Por O Dia

Niterói - A humanidade não evoluiu no sentido de uniformizar uma língua que seja entendida em qualquer canto do planeta. Mas existe sim uma forma de linguagem, que não é um idioma, mas uma espécie de ‘pulsão’ (como diria Freud) comum a todo ser humano: a música. E os papagoiabas têm do que se orgulhar: muitos músicos que encantam o mundo saem daqui. Quem confirma é um dos melhores bandolinistas do mundo, o Hamilton de Holanda, que vai fazer um show na terça-feira, com entrada gratuita, no Teatro da UFF.

O Conservatório de Música oferece aulas de mais de 20 instrumentos Márcio Mercante / Agência O Dia

“Sempre bom tocar em Niterói, uma cidade de muitos músicos conhecidos e bons”, é o que diz o mestre que apresentará a turnê autoral Pelo Brasil.

Arthur Maia, Ronaldo do Bandolim, Dudu Oliveira, Silvério Pontes e Zé da Velha são alguns ícones com carreira internacional naturais da Terra de Arariboia. E tem geração nova fazendo bonito também... Gabriel Policarpo é fera no repique e já percorreu o mundo com seu batuque. Agora, por exemplo, está indo para a Europa participar de um festival de jazz, na Dinamarca, e de lá emenda nos Estados Unidos, onde também vai se apresentar. Para ele a música instrumental ainda precisa ser mais valorizada por aqui.

“Vou levar o projeto Pandeiro Repique Duo, que tenho com o Bernardo Aguiar. Já estivemos em mais de 15 países, mas ainda não conseguimos nos apresentar em Niterói”, lamenta Policarpo.

Mas o som instrumental vem caindo no gosto dos niteroienses. Cada vez mais casas da cidade abrem espaço para as pratas da casa mostrarem trabalho. Tem programação para semana inteira. Na Grand Cru, em Icaraí, tem jazz toda quinta, sexta e sábado. No Ícaro a noite de música acontece toda terça-feira. Aos domingos tem o choro do Bar Itália à tarde, e música de câmara no Centro de Artes UFF pela manhã.

O quarteto Tudo Termina em Jazz fez temporada no Velho Armazém e também na Praia de Itaipu. Em outubro estarão às terças no Bem Dito. 

“Tocamos clássicos do Jazz e arranjos originais de músicas modernas como Oasis, Bob Marley e Beatles. O público gosta de escutar esse som diferente”, diz André Carnevale, saxofonista do grupo.

E gente interessada em tocar tem de sobra. O Conservatório de Música de Niterói é um dos points para quem quer aprender. Hoje eles têm 297 alunos. A diretora pedagógica, Nerisa Aldrighi, descreve a beleza do som instrumental. “Independente das palavras, a música se comunica. Tem um discurso, com tensões, relaxamentos, partes líricas e dramáticas. E para isso o músico tem que ter a mesma intensidade de treinos que um atleta. Tem que ter coordenação motora fina, com movimentos rápidos”, explica.

Confiante de que quer seguir carreira na música, a aluna Luiza Andueza, de 19 anos, já está aprendendo o terceiro instrumento. “Faço piano, violino e harpa. É maravilhoso”, resume.

Na ordem%3A João Pinaud%2C Fabio Muniz%2C André Carnevale e Bruce Lemos formam o conjunto Tudo Termina em JazzMárcio Mercante / Agência O Dia

E VEM AÍ O FESTIVAL NITERÓI CINE JAZZ

Na primeira quinzena de dezembro vai rolar a 2ª Edição do Festival Niterói Cine Jazz. A informação é do produtor Paulo Renato Rocha. E já estão confirmados os saxofonistas Leo Gandelman e Mauro Senise e o pianista Gilson Peranzzetta.

“No ano passado o evento ficou lotado todos os dias. A ideia que o festival passe a fazer parte do calendário fixo da cidade”, torce o produtor.

O evento será nos moldes do Cine Jazz, que acontece toda última quinta-feira do mês no Museu do Ingá. E tem atraído cerca de 100 pessoas por edição, muitos estudantes da UFF.

“A proposta é apresentar artistas antigos de música instrumental, bons artistas, ao público em geral. Sair do circuito comercial. A gente passa um filme de 30 minutos sobre um músico e convida alguém que toque o mesmo instrumento para comentar e apresentar”, explica Paulo Renato.

Já participaram diversos artistas renomados como Zé Canuto e Kiko Continentino. Em novembro será uma edição especial de aniversário de cinco anos do projeto. O secretário municipal de Cultura e baixista Arthur Maia é quem vai apresentar ao lado de outros convidados ainda a confirmar.

O próximo Cine Jazz é no dia 29 de outubro. É sempre às 19h. O Museu do Ingá fica na Rua Presidente Pedreira 78, Ingá.

GRAND CRU - R. Castilho França 36, Icaraí. Couvert: R$ 20. Quinta (1/10): Carlos Saraiva, Leandro Feixo e Liandro Goes. Sexta (2/10): Alex Rocha e Osmar Milito. Sábado (3/10): Sérgio Barroso e Natan Gomes.

ÍCARO - R. Miguel de Frias 106, Icaraí. Couvert: R$ . Toda terça, a partir das 20h: Gustavo Tavares e Demettri Leventis. A casa oferece garrafa vinho em dobro de alguns rótulos.

CENTRO DE ARTES UFF - R. Miguel de Frias 9, Icaraí. Entrada: R$ 10. Música de câmara todo domingo, às 10h. Hoje tem Orquestra Sinfônica Nacional com participação de Antônio Madureira.

SHOW DE HAMILTON DE HOLANDA - No Teatro da UFF. Terça, às 20h. Grátis

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE NITERÓI - Fica na R. São Pedro 96, Centro. Mais informações: 2719-2330

Reportagem de Marina Rocha

Últimas de _legado_Niterói