Salão de Buenos Aires: Confira os modelos que virão para o Brasil

Evento também traz esportivos e lançamentos exclusivos para os argentinos

Por O Dia

Segundo maior mercado de automóveis da América do Sul, com um quarto do tamanho do Brasil, a Argentina abre hoje a 6ª edição do Salão do Automóvel de Buenos Aires, que movimenta a capital do país. O evento vai até o dia 30 deste mês e é importante, principalmente, para revelar modelos que chegarão ao Brasil em breve.

De carros de entrada a esportivos, a mostra portenha exibe conceitos, veículos de produção e até modelos que não têm previsão de serem vendidos por aqui, como o Renault Clio europeu. Por outro lado, o evento nos adianta algo que estará em nossas ruas em breve, como o Volkswagen Up!, que será lançado em setembro, com motor de três cilindros 1.0 de 75 cv e um 1.4 16V na faixa dos 100 cv.

A lista continua com a Ford, que mostra a nova geração do Focus nas versões hatch e sedã, equipados com seus propulsores atuais 1.6 e 2.0. O Golf, que perdeu muito de seu prestígio em nosso mercado por falta de uma atualização, estará presente na sua sétima geração. O novo hatch médio da Volkswagen já é visto com facilidade em testes nas ruas de cidades paulistas, inclusive na versão esportiva GTI, o que indica sua chegada. O trem de força da versão nacional será um 1.4 16V Turbo, com potência que ficará situada entre 140 e 145 cv.

Passando aos sedãs, a Citroën vai exibir o C4 Lounge, substituto o C4 Pallas. Previsto para o segundo semestre no Brasil, o modelo terá motor flex, cujas opções e potências ainda não confirmadas pela montadora francesa. De maior porte, a Nissan torna a mostrar o Altima, já exibido no Salão de São Paulo do ano passado e terá como concorrentes o Ford Fusion, Hyundai Sonata e Volkswagen Passat. O bloco já está confirmado—será um 2.5 litros de cv.

Novidades para os 'hermanos'

O Salão de Buenos Aires nos causa certa inveja ao exibir modelos que podem nunca ser vendidos no Brasil. É o caso da quarta geração do Renault Clio, já confirmado para ser vendido em 2014 no país vizinho. As versões que serão importadas não foram confirmadas, mas os ‘hermanos’ podem receber até a esportiva R.S. 200. Por aqui, temos de nos contentar com uma versão remodelada da segunda geração.

Futuro Clio argentino é bem mais estiloso que o nossoDivulgação


Seguindo nesta linha, a Fiat vai mostrar o seu 500 L e o Panda 4x4. A versão minivan do compacto 500 não tem previsão de ser vendida no Brasil. Na Argentina, ele chega no segundo semestre deste ano e estará equipado com motor 1.4 16V. Já o crossover aventureiro Panda vai inaugurar no país portenho o novo propulsor TwinAir Turbo de 85 cv de potência.

Misturando motorização híbrida e fora-de-estrada, a Peugeot traz o 508 RXH, desenvolvido em cima da versão SW do 508. A variante completará a gama do modelo por lá. Os detalhes relacionados aos motores (diesel e elétrico) ainda não foram divulgados pela fabricante.

Dentro dos utilitários esportivos, a Citroën vai apresentar o C4 Aircross, com propulsores 1.6 e 2.0, mas este sem previsão de ser vendido nos dois países. Por outro lado, a Chevrolet exibe o Tracker, SUV compacto que virá para o Brasil para concorrer com o EcoSport, e a Jeep traz a nova geração do Gran Cherokee, também previsto para ser vendido por aqui.

Esportivos

Os superesportivos são os responsáveis pelos maiores alvoroços em um salão de automóvel. Em Buenos Aires, marcas consagradas como Ferrari e Porsche dão um charme ao evento.

O debutante no segmento é um genuíno argentino: o Bucci Special. Pouco se sabe sobre o modelo, mas o motor está confirmado — um V12 7.3 l de 600 cv, da AMG.

Bucci Special%3A Argentino terá motor V12 7.3 l de 600 cv%2C da AMGReprodução Internet


A escuderia italiana vai exibir, entre os seus modelos, a F12 Berlinetta. Já lançado globalmente, o modelo possui um motor V12 6.2 l de 740 cv. O segundo carro de série mais rápido da Ferrari leva apenas 3,1 segundos para completar o 0 a 100 km/h.

Já a Porsche vai exibir aos argentinos a versão GTS do Cayenne, que reestreou em 2012. O utilitário conta com um motor V8 4.8 l de 420 cv.

Exclusivos para os Argentinos

O que um Chevrolet Spark, um Renault Koleos ou o Alfa Romeo MiTo têm em comum? O fato de rodarem tranquilamente pela Argentina e não darem as caras no Brasil, mesmo sendo o mercado brasileiro de automóveis o maior da América do Sul.

Alfa Romeo MiTo%3A 'Exclusivo' na Argentina%2C pois carga tributária inviabiliza sua comercialização no BrasilDivulgação


Tal ‘fenômeno’ acontece por uma razão específica. O Brasil, deve-se destacar, tem a maior carga tributária do continente, quer na produção, quer na importação, o que inviabiliza a venda de determinados modelos por aqui, pois seriam vendidos a preços estratosféricos.

Assim, não temos também o Volkswagen Scirocco, cupê esportivo que a própria marca alemã já pensou em oferecer no Brasil mas desistiu — a VW ainda vende na Argentina a minivan Sharan. Além deles, também não temos muitos outros modelos.

É o caso do Toyota 86, um esportivo cheio de personalidade e que divide a linha da japonesa com outros dois modelos que não são oferecidos no Brasil — o Land Cruiser 200 e o Land Cruiser Prado. Também não temos as versões cupê e roadster do esportivo Nissan 370 Z — ainda pela Nissan, não é vendido aqui o X-Trail e a picape NP 300.

Na Ford, os argentinos podem ter Mondeo, Kuga e S-Max. Na Fiat, o Qubo, enquanto que na Renault, além do Koleos, há o hatch Mégane III e o sedã Latitude. Também não temos o Chevrolet Aveo e o Peugeot 5008. Na Argentina há ainda os Alfa Romeo Mito e Giulietta — estes devem vir ao Brasil em 2014.

Últimas de _legado_Automania