Salão do automóvel portenho mostrou algumas novidades

Entretanto Citroën não está no salão argentino

Por O Dia

Rio - O Salão de Buenos Aires, que termina no domingo, não está lá tão recheado de novidades, quem sabe um reflexo da situação dos mercados de Argentina, Brasil e outros da nossa América. Mas ainda é possível fazer uma seleção, se considerarmos os lançamentos estratégicos para nós.

A versão vitaminada do Sandero%2C o RS finalmente apareceuDivulgação

CHAMARAM ATENÇÃO

Desenvolvido pela Renault Sport, divisão que prepara carros esportivos e de corrida da fabricante francesa, o Sandero R.S. tem uma característica peculiar: com a participação do time de engenharia e design da marca na América Latina, o hatch é o primeiro modelo do selo ‘R.S.’ fabricado fora da Europa. No Brasil, o esportivo terá motor flex 2.0 litros de 150 cv de potência, câmbio manual de seis velocidades, ESP com opção esportiva, freios a disco nas quatro rodas, além de novas regulagens de direção e suspensão. O lançamento no Brasil está previsto agora para o segundo semestre, produzido na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná.

Também da mesma cidade paranaense virá o Golf nacional, em algum momento do segundo semestre, da fábrica que a Volkswagen tem lá no complexo industrial. Lá em Buenos Aires os argentinos estão vendo no salão a versão de entrada Trendline, que usa o motor EA 211 1.6 l 16 V, de 110 cv para eles porque naquele país usam somente gasolina. Quando tivermos a variante aqui no Brasil, teremos 120 cv em razão da característica bicombustível. Este motor equipa versões topo de Fox e Gol casado com câmbio manual de seis marchas. Interessante que o 1.6 ‘hermano’ apresenta transmissão de cinco. Pelas imagens, o acabamento interior, ainda que com redução de itens, conserva a qualidade ‘padrão Volkswagen importados’ — o Golf que temos disponível hoje vem do México.

Novidade no Golf%3A motor 1.6 barateia o seu custoDivulgação

A Ford já apresentou aos brasileiros o Focus hatch com visual atualizado, que destacamos em teste na capa da edição. Deixando um pouco este tipo de carroceria, a marca do oval antecipou aos argentinos a versão sedã do médio. O ‘upgrade’ acrescenta novos itens de série voltados para segurança e conectividade. Espera-se que não haja alteração nos preços, como foi feito no hatch. Motores e câmbio permanecem os mesmos a princípio.

Alçando aos SUVs, a Honda cautelosamente expõe o CR-V, também com visual repaginado. Ele estará disponível no Brasil já em julho. A tal cautela diz respeito a sua oferta, apenas na versão topo de linha EXL, com tração 4x4. Dá para interpretar a medida como uma ação para distanciá-lo do HR-V, sucesso nas vendas por aqui. O preço ainda não foi revelado.

Em linha com a nova identidade visual da marca, a Peugeot apresentou os novos 308 e 408. Eles são produzidos na Argentina mesmo e chegam ao Brasil até o fim do ano. No primeiro, a coisa é um pouco mais complexa: passaremos a ter aqui no Brasil duas gerações convivendo, sendo esta do facelift ultrapassada e a atual, que virá importada da Europa. O 308 francês vai assumir um posicionamento superior e terá inclusive uma nomenclatura diferente para discriminar. Neste, o empolgante motor THP deve ter cavalagem superior ao que temos aqui, além de um exclusivo câmbio automático de seis velocidades.

FICOU FORA

Atípico, a Citroën não está no salão argentino. É a crise.

Últimas de _legado_Automania