Finalmente Oroch chega ao Rio

Depois de um xoxo festival de música pop, a Renault lança sua primeira picape do mundo aqui

Por O Dia

Rio - Supercompacta ou sub média ou seja lá qual é a sua classificação, o fato e que a Duster Oroch reinaugura um segmento que já foi trafegado por picapes derivadas de carros médios americanos e até por uma Subaru, a Baja. Estas prescindiram do chassis e entregaram mais conforto ao rígido mundo dos picapeiros.

Duster Oroch reúne o melhor dos mundos em conforto e versatilidade%2C nas opções 1.6 e 2.0Divulgação


O lançamento da primeira picape Renault, no Rio, ocupou a Cidade da Artes, na Barra, e delineou bem a importância que este segmento tem no país. São 13% do mercado e 450 mil vendas ano passado, com a liderança da Fiat Strada e da S10, entre as médias, outro fenômeno.

A Renault apostou nesse imenso mercado para manter seu crescimento, que tem sido positivo apesar da retração nas vendas. Depois de quatro anos de desenvolvimento, surgiu a versão. Primeiro como conceito, no Salão de São Paulo, onde foi confirmado seu potencial, e depois com unidades camufladas que flagramos Brasil afora.

PICAPE DA RENAULT DIVIDE CONCEITOS E MERCADO


O resultado desta aplicação da Renault é uma picape consistente, com dirigibilidade de automóvel e bom tamanho de caçamba. Ela não usa o chassi tipo escada que faz as médias pesadas e desconfortáveis.

Para quem quer levar grande objetos há um extensor opcional, homologado, que amplia o espaço para carregar motocicletas leves, como a Yamaha Ténéré 250, a Lander ou Honda Bros, por exemplo. Esta extensão se transforma em rampa de acesso. A caçamba da Oroch tem ganchos de ancoragem de carga em vários pontos e um recuo em relação à cabine, que amplia o espaço.

Por dentro a impressão é que o banco traseiro não oferece tanto conforto como o do Duster. Ele tem encosto fixo e fino. As pernas vão bem, com a extensão de 15 cm maior do entre eixos da picape. O comprimento total dela, em relação ao Duster, aumentou 36 centímetros.


A nova picape ganhou maior comprimento%2C entre eixos e suspensão traseira reforçada. Ficou confortável e espaçosa como o irmão DusterDivulgação

Na construção notamos maior rigidez da suspensão. Natural com a capacidade de carga de 650 quilos, aí considerados também os ocupantes. A boa altura do solo, preservada na Oroch, deve entregar resultados interessantes para vários usos. Infelizmente a versão 4WD ainda nao está sendo oferecida, mas deve chegar ano que vem, para ampliar a conhecida versatilidade. Por enquanto são duas opções de motores 1.6 e 2.0, ambos com 16 válvulas, já utilizados no Duster.

Os câmbios são manuais de cinco (no 1.6) ou de seis marchas (no 2.0). A automática deve chegar junto com a 4WD. O que confirma a futura tração integral é o espaço na suspensão multilink que abrigará o equipamento fornecido pela Nissan.

A suspensão traseira, aliás, preservou características de dirigibilidade e conforto, apesar de reforçada para levar cargas. No teste que fizemos até a restinga da Marambaia, o consumo médio, na 2.0, assinalava 10,1 km/litro. Muito bom. Nas curvas a estabilidade é campeã e o espaço da caçamba, apesar de não ser nenhuma 'Brastemp', é suficiente para a maioria das demandas do comprador deste tipo de carro.

Bem completa, com ar-condicionado, direção hidráulica, travas e vidros elétricos em todas as portas, tampa da caçamba com fechadura, som completo e volante multifuncional, rodas leves, alarme, protetor da caçamba, airbags, ABS, indicador de troca de marchas etc, a Oroch Expression 1.6 custa R$ 62,3 mil.

Por R$ 66,8 mil pode-se levar a 1.6 Dynamique, que acrescenta Media-Nav com GPS, sensores de ré, computador de bordo, faróis de neblina, pneus de uso misto, tomadas, vidros um toque etc. Os equipamentos são os mesmos para a versão Dynamique 2.0, que além do motor mais forte tem câmbio de seis marchas. Custa R$ 70,8 mil.

A OROCH VAI MUDAR O MERCADO NACIONAL DE PICAPES

A chegada da Oroch deverá mudar o mercado das picapes. Ela poderá atrair compradores das médias, que estão caras e não combinam muito com os espaços urbanos, e também das leves, que muitas vezes não atendem aos seus compradores. As pesquisas apontam que a maioria dos consumidores de picapes estendidas ou três portas, carregam a família nos fins de semana e para isso a Oroch é melhor. Os preços também 'pegam'.

A eterna líder%2C Strada terá que rever conceitos. A Saveiro idem. Abaixo a Fiat Toro%2C que chega em 2016Divulgação

As versões mais caras da Strada, com três portas e bloqueio Locker custam mais de R$ 70 mil e a Saveiro Cross, dupla mas com duas portas sai por R$63,8. Neste cenário a Oroch vai nadar de braçadas. O contra ataque da Fiat já está pronto. A Toro é uma supermédia que rodará sobre a plataforma do Jeep Renegade. Vai chegar ano que vem por preços que começarão, entretanto, no topo da Oroch e vão até os R$ 120 mil, na versão diesel 4x4 automática nove marchas.A Oroch continuará a nadar de braçadas.


Últimas de _legado_Automania